Arnaldo Silva fala da sua detenção e reforça tese de cabala política

0

Arnaldo Silva é peremtório e explica que o Ministério Público tem de mostrar “fatos concretos” neste processo em que ele é, até o momento, a única vítima identificada

O Advogado Arnaldo Silva comentou, pela primeira vez, a sua detenção pelo Ministério Público que o acusa de de crimes de burla qualificada, falsificação de documentos, organização criminosa, corrupção ativa, falsidade informática e lavagem de capitais.

Numa entrevista à RTP, citada pela TCV, na última terça-feira, 10, o Advogado que foi detido na quarta-feira da semana passada e posto em liberdade na quinta-feira, 5, com “interdição de saída e proibição de contato”, admite estar a ser alvo de uma cabala política com fins de atingir outras pessoas, nomeadamente, a Câmara Municipal da Praia e seu Presidente, em 2014.

Se quer atingir a Câmara da Praia de forma “clara e evidente”, admite.

Sem titubeios, Arnaldo Silva, que é Procurador de Fernando de Sousa, que se apresenta como proprietário de vários terrenos na Cidade da Praia, explica estar a navegar no “escuro” e sem possibilidades de se defender. É que segundo observa, não sabe quem são as pessoas que não pode contatar porque não foram identificadas pela Procuradoria Geral da República.

“Nós estamos no escuro, e no escuro não se pode defender”, argumentou o antigo Bastonário da Ordem dos Advogados de Cabo Verde.

Arnaldo Silva é peremtório e explica que o Ministério Público tem de mostrar “fatos concretos”, nomeadamente, quem são as pessoas alegadamente envolvidas neste processo que a Procuradoria identifica como sendo corrupção ou burla qualificada ou ainda associação criminosa.

“Tem de haver fatos concretos, pessoas determinadas, valores concretos, dia em que os atos foram praticados”, diz Arnaldo Silva, para quem é fundamental se identificar “quem recebeu dinheiro” e  “quanto recebeu, como recebeu e de que forma que ele recebeu”.

“Tem que se fazer prova de tudo isto”, desafia.

Este processo encontra-se, entretanto, em segredo de Justiça.

- PUBLICIDADES -

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Por favor digite seu comentário!


COMENTÁRIOS: O País defende a liberdade de expressão e o debate livre de ideias. Entretanto, todos os comentários são mediados pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Advertimos, no entanto, de que os comentários devem cumprir os critérios estabelecidos pela Coordenação Editorial, nomeadamente, não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem, não ofender o bom-nome de pessoas e instituições, não conter acusações sobre a vida privada de terceiros, e não conter linguagem inadequada. Comentários que não respeitarem estes pressupostos não serão considerados.


Por favor, digite seu nome aqui