Bispo de Santiago diz que PRRA é patriótico

0

Dom Arlindo Furtado observa que reabilitação da Igreja de Nossa Senhora da Luz, no Maio, é um marco significativo de um processo histórico

O Bispo da Diocese de Santiago, Cardeal da Igreja, disse no passado sábado, 7, no Porto Inglês, que a reabilitação da Igreja de Nossa Senhora da Luz, na ilha do Maio, é um marco significativo de todo um processo histórico de restruturação daquele património.

Ao intervir no ato da consignação da obra de reabilitação da Igreja de Nossa Senhora da Luz, o Prelado sublinhou tratar-se de um projeto que há muito tempo se encontra nos corações dos Maienses. O lançamento da obra de reabilitação, pontuou Dom Arlindo, é o concretizar de um desejo há muito esperado.

O Cardeal lembrou que o projeto levou “muito tempo”, incluindo estudos e um envolvimento “muito grande” da Paróquia, dos fiéis e dos Munícipes, pois como diz foi preciso “muito diálogo” para poder manter a originalidade da Igreja.

Quatro meses é o prazo fixado para a reabilitação, entretanto, o Bispo mostra alguma reserva neste aspeto, mas se isto acontecer é sinal de que “claramente Cabo Verde está a mudar”.

O PRAA, criado pelo Ministério das Infraestruturas, liderado pela Ministra Eunice Silva, também presente no ato, em representação do Governo, mereceu igualmente elogios do Cardeal, que o classifica como sendo patriótico.

“É um programa não só de alcance físico, mas tem uma dimensão psicológico, social e patriótico muito grande”, comentou o líder Católico.

“Em boa hora (o Governo) se abriu” em valorizar não só o património religioso, mas “todos os conjuntos do PRAA e outros complementares, que vem criar maior qualidade de vida e maior estímulo e ambição e sobretudo na dignidade das pessoas”, realçou o Bispo.

Notícia relacionada:

Igreja Nossa Senhora da Luz, no Maio, entra em obras

- PUBLICIDADES -

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Por favor digite seu comentário!


COMENTÁRIOS: O País defende a liberdade de expressão e o debate livre de ideias. Entretanto, todos os comentários são mediados pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Advertimos, no entanto, de que os comentários devem cumprir os critérios estabelecidos pela Coordenação Editorial, nomeadamente, não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem, não ofender o bom-nome de pessoas e instituições, não conter acusações sobre a vida privada de terceiros, e não conter linguagem inadequada. Comentários que não respeitarem estes pressupostos não serão considerados.


Por favor, digite seu nome aqui