Plano de Salvaguarda da Morna constitui o próximo desafio

1

Sandra Mascarenhas Coordenadora do Dossier da Candidatura da morna a Património da Humanidade, falava aos Jornalistas na sequência do anúncio da UNESCO referente à elevação da Morna

Sandra Mascarenhas Coordenadora do Dossier de candidatura disse hoje em conferência de Imprensa que após ser proclamado a Morna como Património Imaterial da Humanidade, o próximo desafio consiste em trabalhar num Plano de Salvaguarda como forma a reconhecer internamente essa elevação por parte dos Cabo-verdianos.

Mascarenhas avançou ainda que o plano de Salvaguarda já se encontra em curso, onde já foi lançado um edital em que serão publicados obras sobre a Morna no próximo ano e que tem-se trabalhado muito com a camada juvenil, anunciando para os próximos tempos o lançamento do concurso “jovens cantam Morna”.

“O Plano já foi anexado no dossier, que indica que os propósitos as medidas são coerentes e factíveis, que levam em conta o papel dos praticantes a nível do poder local, como das Organizações não-governamentais, que inclui a documentação, inventários e a criação de plataformas e redes para o desenvolvimentos e transmissão do elemento”, referiu.

A Coordenadora falou da necessidade de redefinir o plano, no sentido de trabalhar a Morna em outras perspetiva, para além do mercado, mas também na perspetiva turística e na perspetiva do ensino.

O Plano de Salvaguarda consta em seis eixos que vai desde do ensino de pedagogia, até a musealização e a elevação da morna a outros espaços do País, disse Sandra Mascarenhas, referindo que a ideia da Salvaguarda é trabalhar para que em Cabo Verde as pessoas reconheçam a Morna como Património.

Dos cinco Critérios da Candidatura, a mesma interlocutora, adiantou que o Dossier tinha que estar “obrigatoriamente bem inventariado”, com o processo realizado desde 2017 em todas as ilhas e os Municípios, envolvendo o máximo número de praticantes.

“O Critério 1, demostra que a morna é um Património Cultural de Cabo Verde, Critério 2, tinha a ver com a consciencialização do papel da Morna, de que forma iria trazer um ganho para a civilização, o critério 3, que tem a ver com a salvaguarda, e o critério 4, diz respeito à questão do Inventário”, afirmou.

Mascarenhas assegurou que com esta nomeação, ganha-se o reconhecimento da nossa identidade além-fronteiras, bem como para aqueles que fazem a Morna no dia-a-dia.

Hamilton Fernandes, Presidente da Instituto do Património Cultural, IPC, falava num processo árduo “cientificamente muito exigente”, mas satisfatório, referindo que durante todo o processo houve um total engajamento da Intuição e do Ministério da Tutela.

Refira-se que após quatro avaliações da UNESCO sobre o Dossier de Candidatura, a Morna conseguiu passar em todos os cinco critérios, para ser aprovada como Património Cultural Imaterial da Humanidade, sua proclamação será feita em dezembro.

- PUBLICIDADES -

1 COMENTÁRIO

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Por favor digite seu comentário!


COMENTÁRIOS: O País defende a liberdade de expressão e o debate livre de ideias. Entretanto, todos os comentários são mediados pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Advertimos, no entanto, de que os comentários devem cumprir os critérios estabelecidos pela Coordenação Editorial, nomeadamente, não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem, não ofender o bom-nome de pessoas e instituições, não conter acusações sobre a vida privada de terceiros, e não conter linguagem inadequada. Comentários que não respeitarem estes pressupostos não serão considerados.


Por favor, digite seu nome aqui