“Governo ilegal” Guineense pede demissão

0

Chefe do “governo ilegal” pede a José Mário Vaz que lhe permita demitir-se do cargo “com efeito imediato”

O primeiro-ministro “ilegal”, Faustino Imbali, nomeado pelo Presidente cessante da Guiné-Bissau, mas rejeitado pela maioria da comunidade internacional, demitiu-se hoje do cargo a poucas horas de terminar o prazo dado pela CEDEAO.

Imbali acusa a organização de ingerência, sublinhando que assim não conseguia trabalhar.

“Após cuidadosa meditação cheguei à conclusão de que, como líderes, devemos privilegiar o diálogo”, escreveu esta sexta-feira o Imbali.

Imbali disse na sua carta dirigida a José Mário Vaz ter tomado a decisão de se demitir para permitir ao Presidente Guineense “ter chance de reformular a história política” da Guiné-Bissau e não permitir que forças estrangeiras “desestabilizem e zombem” da nação Guineense.

O Chefe do “governo ilegal” pede a José Mário Vaz que lhe permita demitir-se do cargo “com efeito imediato”.

Com Agências

 

- PUBLICIDADES -

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Por favor digite seu comentário!


COMENTÁRIOS: O País defende a liberdade de expressão e o debate livre de ideias. Entretanto, todos os comentários são mediados pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Advertimos, no entanto, de que os comentários devem cumprir os critérios estabelecidos pela Coordenação Editorial, nomeadamente, não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem, não ofender o bom-nome de pessoas e instituições, não conter acusações sobre a vida privada de terceiros, e não conter linguagem inadequada. Comentários que não respeitarem estes pressupostos não serão considerados.


Por favor, digite seu nome aqui