Balanço de 3 anos de mandato da CMSC e do seu presidente Sueck

0

Um balanço de promessas, de intenções, sem obras e sem inaugurações.

O presidente da Câmara Municipal de Santa Cruz acaba de apresentar, com pompa e circunstância, o balanço de três anos de governação local.

Normalmente os balanços de uma Câmara Municipal são feitos com OBRAS e INAUGURAÇÕES. No caso de Santa Cruz é inédito o facto de no final de 3 anos de governação local não há OBRAS para serem INAUGURADAS, contrariamente aos outros Municípios, como é o caso do nosso vizinho São Miguel Arcanjo, Calheta, onde se vêm INAUGURAÇÕES e mais INAUGURAÇÕES de OBRAS estruturantes para o desenvolvimento das suas comunidades. Igualmente, os casos do Tarrafal, de Santa Catarina, de SS do Mundo (Picos), dos Órgãos, São Domingos e Ribeira Grande de Santiago onde se vêm os seus presidentes a inaugurarem novas OBRAS, ao fim destes 3 anos de governação local e a entregarem as chaves de habitação social às famílias mais carenciadas.

Em Santa Cruz, nem mesmo pelas festas do dia do município e de Nhô Santiago Maior o edil Carlos Silva (Sueck) se deu à honra de presentear os seus munícipes com INAUGURAÇÕES de novas OBRAS estruturantes para o desenvolvimento do Concelho. Apenas entregou umas chaves de moradias sociais reabilitadas a algumas famílias (cerca de 30), igual ao número que foi distribuído em SSM (Picos), um Concelho cuja população é três vezes inferior à nossa. Isto dá para ver a insignificância de números de famílias contempladas com melhoramento das suas habitações, quando temos centenas de famílias, em todo o Concelho, a viverem em casas degradadas, com paredes e tetos a cair, sem condições para as melhorar e que há muito tempo se encontram na lista de espera para uma intervenção da Câmara Municipal que nunca chega.

Aqui, no nosso caso, a equipa camarária vem seguindo a velha estratégia de não FAZER ou FAZER muito pouco ao longo do mandato e DEIXAR para o último ano do mandato TENTAR FAZER tudo. Esse TRUQUE POLÍTICO deixou de surtir resultados porque, agora, temos eleitores mais informados e mais avisados para esse tipo de MANIPULAÇÃO política baseada em PROMESSAS e PROPAGANDAS, para se perpetuarem no poder.

Para comprovar essa MANIPULAÇÃO, eis as palavras do presidente Sueck no final do seu balanço de governação: “a nossa ambição é requalificar toda a cidade com um orçamento estimado de mais de 500 mil contos”, fim de citação. Ora, duas notas ressaltam à vista e comprovam a falta de VISÃO e CAPACIDADE do presidente Sueck para cumprir as promessas que faz. Falta de VISÃO de todo o Concelho, quando tem a meta de 500 mil contos para requalificar Pedra Badejo e IGNORA todo o resto de Santa Cruz, particularmente, os outros grandes centros como Achada Fazenda, Cancelo, Terra Branca e Choupana, Rocha Lama, Achada Igreja ( um centro histórico, completamente, esquecido pela Câmara presidida por Sueck), Achada Laje, Achada Ponta, Ponta Achada, Salina, Renque de Purga, Monte Negro, Chã da Silva, Matinho, Boca Larga, Ribeirão Boi, Boaventura, Serelho, Rebelo e Saltos Abaixo, todos esses povoados, completamente, descobertos com obras de requalificação urbana e ambiental, sem planos urbanísticos, sem planos sanitários e um sistema precário de abastecimento de água de consumo, sendo muitos deles sujeitos a consumir águas de poços e nascentes de má qualidade e sujeitas à transmissão de doenças infectocontagiosas sobretudo, agora, na época das chuvas. Por outro, faltam apenas 10 meses para construir OBRAS. E não vai conseguir.

OBRAS DO GOVERNO CENTRAL

Mistura OBRAS do governo, que não têm nenhum mérito da CMSC e do seu presidente Sueck com OBRAS da Câmara e tenta, desesperadamente, passar a imagem que toda a OBRA realizada no Concelho é da CM. Ora, trata-se de um TRUQUE POLÍTICO e de MANIPULAÇÃO para confundir os munícipes e tirar dividendos políticos injustos.

Apresenta a estrada de Ribeira dos Picos que liga os três Concelhos (Santa Cruz, SS do Mundo e Santa Catarina) no seu balanço de governação, quando essa estrada é um projecto do Governo, completamente, financiado pelo Governo através do empréstimo do BM, um COMPROMISSO de Ulisses Correia e Silva em campanha de 2016, quando as populações dessa Ribeira lhe pediram essa via de acesso. Ulisses comprometeu-se, na altura, e agora está cumprindo esse compromisso. Portanto essa estrada não tem uma única ideia e iniciativa da CMSC e do seu presidente Sueck.

Apresenta continuação de contactos junto do Governo para a construção de mais 2 liceus, 1 em Achada Fazenda e 1 em Cancelo, no seu balanço de governação.

Ora, que vergonha! Depois de ter sido, duramente, criticado de INCOMPETENTE e NEGLIGENTE, ao não ter pressionado, o suficiente, o Governo central, durante quase vinte anos, para construir mais liceus em Santa Cruz vem, agora, no final do seu mandato, retomar o assunto dos liceus de Achada Fazenda e Cancelo?! Definitivamente, os eleitores de Santa Cruz, sobretudo os jovens, são conscientes da INCOMPETÊNCIA do Sueck em construir mais liceus em Santa Cruz. Já não tem tempo. Faltam-lhe apenas 10 meses para construir OBRAS e não vai conseguir, nesse escasso tempo que lhe resta para o término do seu mandato.

Apresenta o primeiro Centro Olympafrica de Cabo Verde, que vai ser construído em Achada Fazenda, uma infraestrutura do Governo que não tem nenhuma ideia e iniciativa da CMSC e do seu presidente Sueck. Foi escolhido Santa Cruz, para a sua localização, justamente, porque o nosso Concelho, infelizmente, é dos mais atrasados, em termos de infraestruras desportivas.

Apresenta a electrificação das comunidades rurais que já atingiu 100%. Ora, a electrificação deixou de ser projectos da Câmara desde há vários anos. Infelizmente, várias comunidades rurais ficaram sem cobertura eléctrica durante vários anos, após ter passado para a responsabilidade da ELECTRA, como Chã da Silva, Matinho, Boca Larga, Serelho, Rebelo, Ribeirão Boi e Boaventura, sem que a Câmara tivesse intervindo junto dessa empresa e do governo para pressionar no sentido da sua contemplação. Ainda hoje, várias famílias dessas comunidades só vêm a luz eléctrica nos postes, pois não dispõem, ainda, de energia no interior das suas casas e é dever da Câmara e do seu presidente pressionar a empresa ELECTRA e o Governo no sentido de contemplar essas famílias com energia nos seus domicílios. Esta Câmara, presidida por Sueck tem ignorado essas gentes fazendo orelhas moucas às suas reivindicações, passando a bola para a ELECTRA.

Rotas da Carne, em Ribeira Seca, é um projecto com indícios de corrupção. Foi executado por um “camarada”, por sinal um profissional de comunicação social (jornalista) que não se dedica à construção civil e nem sequer tem uma empresa do ramo. Foi um jogo sujo para financiar interesses particulares, de “camaradas”. Rotas da Carne nada tem a ver com os interesses da população dessa comunidade. No devido momento retomaremos essa questão e agiremos em consequência.

FALTA DE POLÍTICAS E DE VISÃO PARA PROMOVER O DESENVOLVIMENTO DO CONCELHO

Não há desenvolvimento sem POLÍTICAS direccionadas para A JUVENTUDE. E não pode haver condições para o desenvolvimento se não houver uma forte aposta na EDUCAÇÃO, FORMAÇÃO e EMPREGO. Estas três valências não fazem parte do balanço desta Câmara e do seu presidente Sueck. Há uma ausência de POLÍTICAS PARA A JUVENTUDE, de POLÍTICAS PARA AS FAMÍLIAS e de POLÍTICAS PARA O RENDIMENTO.

A actual Câmara não implementou nenhuma dessas políticas, passando ao largo e vem focar a sua política na infraestruturação do Concelho, em jeito de PROPAGANDA política, pois não passam de PROMESSAS e INTENÇÕES que desde há vários anos vem apresentando e nunca as concretizou. Temos um Concelho, ainda, considerado um dos mais pobres de Cabo Verde, com a maior taxa de pobreza absoluta e uma das mais altas taxas de pobreza relativa. São dados do INE. Temos uma das mais altas taxas de ABANDONO escolar no ensino secundário, reflexo da POBREZA em que se encontram os pais e encarregados de educação, quase todos DESEMPREGADOS, muitos não concluem o 12º ano de escolaridade e dos que concluem o liceu, muitos ficam em casa e não prosseguem os estudos universitários ou superiores por falta de condições financeiras dos pais e encarregados de educação que se encontram na situação de DESEMPREGO.

Os jovens em Santa Cruz vivem no DESESPERO, sem EMPREGO, sem condições de PROSSEGUIREM os estudos, sem OCUPAÇÃO e ALTERNATIVA para os estudos, sujeitos aos DESVIOS, com toda as suas inconveniências. A Câmara não tem tido uma política para oferecer ALTERNATIVA e OCUPAÇÃO aos jovens.

A frequência nos ensinos técnicos e superiores no país e no estrangeiro não tem o mérito da CMSC e nem do seu presidente Sueck. Os que frequentam o ensino superior no país são por CONTA e RESPONSABILIDADE dos pais e encarregados de educação que possuem algum poder financeiro. No estrangeiro, muitos são por CONTA e RESPONSABILIDDE dos pais. Santa Cruz é dos Concelhos que têm menos frequência de estudantes no estrangeiro (nomeadamente Portugal), tudo porque a Câmara se limita apenas a inscrevê-los nas vagas existentes em Escolas e Universidades portuguesas deixando-os, sozinhos, a TRATAR DE ASSUNTOS DE VISTOS. Muitos são rejeitados PEDIDOS DE VISTO e a Câmara não tem intervindo junto do Consulado português a favor dos estudantes de Santa Cruz. Enquanto outras Câmaras de Santiago, vizinhas de Santa Cruz, os seus presidentes de Câmaras INTERVÊM, directamente, junto do Consulado nos assuntos de VISTO de estudantes. Por isso temos menos estudantes, em termos relativos, a estudar no estrangeiro do que os de SM Arcanjo (Calheta), Tarrafal, Santa Catarina, Órgãos e São Domingos.

PROMESSAS DE NOVAS INFRAESTRUTURAS: CÓPIA E COLAGEM DO PLANO DE ACTIVIDADES

O balanço da governação local da CMSC e do seu presidente Sueck é de uma pobreza confrangedora, algo que demonstra, inequivocamente, a INCOMPETÊNCIA e a falta de VISÃO desses órgãos camarários. É a CÓPIA e COLAGEM do Plano de Actividades da Câmara Municipal, repetitivo, que todos os anos, desde 2012 a 2019, durante 7 anos, vêm apresentar os mesmos projectos de infraestruturação do Concelho. Podem os munícipes consultar os Planos de Actividades de 2012 a 2019 e verificarão que são sempre os mesmos projectos:

VIAS DE ACESSO: estradas de penetração de Ribeira dos Picos que nunca apresentou projecto nenhum ao Governo central, nem este e nem o anterior, de Boaventura a Boa Entradinha, de Jaracunda a Ribeirão Almaço, de Renque a Ribeira de Cumba, de Telhal a São Cristóvão (esta foi abandonada desde 2000), melhoramento de ligação Achada Fazenda a Achada Ponta, todos estes projectos nunca saíram do papel desde 2012 e constam, desde esta data, em todos os Planos de Actividades da Câmara Municipal.

O Centro Histórico da cidade de Pedra Badejo (Porto Acima) há muito que foi abandonado pela Câmara Municipal e perdeu toda a sua importância com a deslocação do antigo e histórico Mercado Municipal para Achada Fátima. Tudo morreu nesse Centro Histórico. As ruas estão completamente em estado lastimável de conservação e o abandono é total. A via principal de acesso ao BULIMUNDO, antiga sede administrativa e paços do Concelho, está com o piso em estado lastimável de conservação.

O nosso FALUCHO, orgulho de todos os santacruzenses, cartão-de-visita de Santa Cruz está fechado há muito tempo, a infraestrutura está ABANDONADA pela Câmara e a degradar-se, acentuadamente, e não se sabe qual o destino pretende a edilidade dar à maior e à mais emblemática infraestrura turística do Concelho.

PESCA: as mesmas promessas de sempre, desde 2012. Os pescadores não receberam nenhum APOIO, nenhum INCENTIVO, nenhuma INICIATIVA e nenhum gesto de BOA VONTADE da CMSC e do seu presidente Sueck.

O Centro de Apoio aos Pescadores de Porto Abaixo (Obra Txota) encontra-se em acentuada degradação, desde 2004, com equipamentos inoperantes, máquina de gelo imobilizada há vários anos e o resto do espaço em abandono total, pois os pescadores não têm recebido qualquer APOIO da CMSC e do seu presidente Sueck e estes não foram CAPAZES de PRESSIONAR o Governo, desde há vários anos, no sentido de mobilizar recursos para a sua restauração e funcionamento.

Idem, para o Centro de Apoio aos Pescadores de Achada Ponta, completamente abandonado, desde 2004, de portas fechadas, sem máquinas de gelo a funcionar há vários anos, sem equipamento elétrico e todo o espaço em degradação acentuada.

O cais de Porto Abaixo que serve de apoio aos pescadores não vem funcionando, há muito tempo, de modo a apoiar os pescadores. Cada pescador safa-se como poder para desembarcar o seu pescado.

A praia de Rubon Baleia que servia de apoio aos pescadores está, completamente, abandonada e a escadaria de acesso a essa praia, construída pela CMSC, na década de 1990, está em degradação acentuada, sem uma intervenção da autarquia local que a abandonou, por completo.

Os pescadores queixam-se de falta de APOIO para aquisição de botes, de motor de fora de bordo e de equipamentos para a pesca e a Câmara tem-se mostrado INDIFERENTE e DISTANTE a essas reivindicações.

AGRICULTORES E CRIADORES DE GADO

Os agricultores e criadores de gado jamais terão recebido algum APOIO e nem sequer INCENTIVOS e ORIENTAÇÕES para a aquisição de meios materiais, equipamentos e acesso ao crédito para a sua actividade económica. A Câmara não dispõe de POLÍTICAS para o sector do agro-negócios e tudo que vem fazendo não passa de PROPAGANDA política, sem qualquer consistência e impactação na melhoria de condições para alavancar o desenvolvimento da agricultura e da pecuária em Santa Cruz.

Tudo que a CMSC vem dizendo sobre a empresa “Justino Lopes” é pura propaganda política para alimentar espectativas dos sócios dessa empresa. Nunca a CMSC e o seu presidente Sueck apresentaram qualquer projecto ao Governo, quer o anterior, quer o actual, ou aos parceiros de desenvolvimento de Santa Cruz para tirar “Justino Lopes” da situação em que se encontra. É tudo PROPAGANDA política para colher alguns votos desses trabalhadores/sócios.

A política de águas para o sector agrícola nunca mereceu qualquer APOIO e INICIATIVAS da CMSC e do seu presidente Sueck. Desde há muitos que os agricultores queixam-se da falta de água e do custo elevado desse líquido, nunca esta Câmara manifestou disponibilidade para APOIAR agricultores, junto do Governo e das entidades ligadas à política de águas no sentido de se encontrar uma solução que tire os camponeses desse sufoco de carência de águas para a irrigação e do custo excessivo desse líquido.

Tudo, não passa de PROPAGANDA da CMSC e do seu presidente Sueck, o que revela a sua INCOMPETÊNCIA para conduzir o destino deste Concelho, cuja população se vê a braços com dificuldades, sobretudo em anos de seca severa, onde as famílias ficam abandonadas, pela Câmara, à sua sorte, SEM TRABALHO, SEM RENDIMENTO e SEM ALTERNATIVAS, pois não existe no Concelho uma política para as comunidades rurais.

Por tudo isto, impõe-se, urgentemente, uma MUDANÇA de paradigma na condução dos destinos deste Concelho e esta actual equipa da Câmara não dá garantias de continuidade, pois tudo está PARADO ou a PASSOS LENTOS em Santa Cruz devido à FALTA de DINÂMICA, de CAPACIDADE, de VISÃO e de POLÍTICAS para alavancar Santa Cruz, rumo ao desenvolvimento e progresso das suas comunidades.

NÓS TEMOS A ESPERANÇA E ACREDITAMOS NA SOLUÇÃO!

- PUBLICIDADES -

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Por favor digite seu comentário!


COMENTÁRIOS: O País defende a liberdade de expressão e o debate livre de ideias. Entretanto, todos os comentários são mediados pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Advertimos, no entanto, de que os comentários devem cumprir os critérios estabelecidos pela Coordenação Editorial, nomeadamente, não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem, não ofender o bom-nome de pessoas e instituições, não conter acusações sobre a vida privada de terceiros, e não conter linguagem inadequada. Comentários que não respeitarem estes pressupostos não serão considerados.


Por favor, digite seu nome aqui