Papa explica por que visitou Moçambique antes das eleições

0

Ideia do Sumo Pontífice é “ajudar” a consolidar processo de Paz em curso no País

O Papa Francisco explicou ontem, durante a viagem de regresso ao Vaticano, o motivo da sua visita a Moçambique na semana passada, antes das eleições previstas para o próximo mês.

A ideia é “ajudar a consolidar o processo de Paz” em curso no País. No entender do Papa há valores que falam mais alto.

Francisco recusa a ideia de que a sua visita neste momento seja um “erro” e garante ter sido uma “opção tomada livremente”.

A campanha eleitoral passou para “segundo plano” face ao processo de Paz, indicou. “O importante era visitar o País para ajudar a consolidar o processo de Paz”, reforçou em resposta a uma questão colocada pela enviada da Renascença à 31.ª viagem apostólica do seu Pontificado.

“Para mim o mais importante foi sublinhar a unidade do País”, insistiu o Papa que, entretanto, rejeita triunfalismos e compara a Paz a um bebé, que precisa sempre de cuidados e tem de ser tratado com ternura.

“Nestas coisas, não devemos ser triunfalistas, o triunfo é a paz”, vincou.

Na segunda-feira, 10, o Cardeal Cabo-verdiano, Dom Arlindo Furtado comentou a viagem do Papa a Moçambique, Madagáscar e Ilhas Maurícias e pontuou que o Francisco tem escolhido “pontos estratégicos” para visitar na África, e que nesta visita o Pontífice tem dado atenção a muitos desafios, desde logo a corrupção, a manutenção da Paz, a reconciliação, a estabilidade e o desenvolvimento.

Releia a notícia de Dom Arlindo

Bispo de Santiago comenta viagem do Papa à África

- PUBLICIDADES -

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Por favor digite seu comentário!


COMENTÁRIOS: O País defende a liberdade de expressão e o debate livre de ideias. Entretanto, todos os comentários são mediados pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Advertimos, no entanto, de que os comentários devem cumprir os critérios estabelecidos pela Coordenação Editorial, nomeadamente, não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem, não ofender o bom-nome de pessoas e instituições, não conter acusações sobre a vida privada de terceiros, e não conter linguagem inadequada. Comentários que não respeitarem estes pressupostos não serão considerados.


Por favor, digite seu nome aqui