A fábrica da mentira!

1

Tenho pena do meu país!

Ficou provado que, talvez, a única fábrica industrial que funciona no país é o da mentira e fake news.

O policial José Luís Correia foi encontrado morto, perto da sua casa em Chão de Santo, Santa Catarina de Santiago.

O caso teria acontecido de madrugada, em princípio, na ausência de testemunhas, pelo que, no momento imediato, ninguém poderia ter a mínima informação do que teria acontecido.

Ninguém, mas excepto os especialistas e investigadores do “Santiago Magazine” e o irmão gémeo “Asemana”.

Os jornais “Santiago Magazine”e “Asemana”, talvez devido às suas estreitas ligações às maiores agências de investigação criminal do mundo, logo de manhã cedo, resolveram acordar o país e o mundo com uma bomba: “O policial José Luís Correia foi morto a tiro”.

O “Santiago Magazine” espalha aos ventos o seguinte: “…os dados já apurados indicam que José Luís Correia…terá sido assassinado a tiro…Há vestígio de sangue espalhados pelo chão…em menos de um mês, este é o segundo polícia que é morto em Santiago…presume-se que o José Luís Correia terá sido assassinado e abandonado no local”.

O jornal “Asemana”, que seguiu a diabólica versão do irmão “Santiago Magazine”, embora utilizando um truque de linguagem diferente, perante a declaração de um policial que disse esperar pelo resultado da autópsia, mas que tudo indica que a morte do colega, deveu-se a uma causa natural, vem contornar a informação, dizendo “que o suposto homicídio, segundo opinião de algumas pessoas, terá sido operado pelo eventual uso de pau, pedrada, veneno, entre outras hipóteses, como possíveis armas ou produtos utilizados no suposto crime”.

No meio desta monstruosa orquestração, por espíritos cheios de inqualificável ódio, veio o resultado da autópsia.

José Luís Correia morreu por causa natural. José Luís Correia morreu porque sofreu uma hemorragia digestiva alta, o que, normalmente, leva a vítima a perder sangue pela boca.

Disse que eu tenho pena do meu país. E tenho mesmo!

Com o resultado da autópsia entre mãos, envergonhados, mudam de estratégia e começam a pôr em causa o resultado oficial da autópsia!

Estaremos nós num mundo normal?

Que raiva, que ódio pode levar jornais, pessoas identificadas nas redes sociais a invadirem o país e o mundo com notícias desta natureza?

É de se perguntar se essa gente ama ou alguma vez amou Cabo Verde? O que é que Cabo Verde fez a essa gente?

Para eles não é a perda de um cidadão que interessa. Não é a dor dos familiares. Não são a mulher e filhos que ficaram órfãos.

É, forçosamente, a forma como perdemos um cidadão. E essa forma tem de ser a tiro!

Vergonha!

1 COMENTÁRIO

  1. Bu ca cala bu encontra e entra na mesma merda, q mi, sem nha comentario m staba livre tb, ma sina tem y distino e ql me, sem sta fora.

Comments are closed.