A Verdade sobre a Conferência do Sal

O jornal “A Nação” apresenta como manchete que a Conferência do Sal deve ter custado 150 mil contos e afirma que o sistema MpD esteve em peso no Sal e que a conferência foi de voz única.

Este é o tipo de jornalismo da era pós-verdade muito ao gosto dos extremistas e populistas, que não se coíbem de mentir para manipular a opinião pública.

O jornal “A Nação” sabe muito bem que o custo da conferência não é e não pode ser 150 mil contos, mas atira números.

Sabe muito bem que a conferência era internacional, teve a participação de altos representantes de organizações internacionais e regionais africanas, teve a participação de convidados nacionais como altos representantes da Justiça, deputados (em pequeno número por causa da sessão parlamentar), de presidentes de câmaras municipais, académicos, jovens.

Sabe também muito bem que a conferência não foi concebida como um palco para os partidos cabo-verdianos replicarem os debates do parlamento, mas como um palco para debater a liberdade, a democracia e a boa governança no mundo, a partir de Cabo Verde.

Sabe muito bem que o sistema MpD não esteve representado em peso. Mas sabendo tudo isso, o jornal “A Nação” mente.

Curiosamente, a integridade da informação na era digital e do fake news foi um dos temas muito debatido na Conferência.

“A Nação” ficou com raiva do sucesso da Conferência em alinhamento total com o PAICV.

Cabo Verde saiu prestigiado da Conferência.