Brasil. Asfixia é apontada como causa da morte de homem ‘negro’ espancado em supermercado

0

Corpo foi liberado na tarde desta sexta-feira, 20. Laudo final deve ser concluído nos próximos dias. João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, foi morto em uma unidade do Carrefour nesta quinta-feira, 19. Os dois agressores, um policial militar e um segurança, estão presos preventivamente

          

As análises iniciais do Instituto Geral de Perícias, IGP, apontaram para a possibilidade de asfixia como causa da morte do homem ‘negro’ espancado nesta quinta-feira, 19, em uma unidade do Carrefour em Porto Alegre.

Segundo o IGP, estão previstos outros exames laboratoriais, e os laudos definitivos devem ser concluídos nos próximos dias. O corpo foi levado aos Departamentos de Criminalística e Médico-legal ainda na noite desta quinta-feira. A liberação ocorreu na tarde desta sexta-feira, 20.

João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, foi espancado e morto por dois seguranças ‘brancos’ na véspera do Dia da Consciência Negra. As agressões e a imobilização duraram mais de cinco minutos.

Ele fazia compras com a esposa quando teria ocorrido um desentendimento com uma funcionária do local. Ela chamou a segurança, que levou João Alberto para o estacionamento, onde ocorreram as agressões.

Os dois agressores – o policial militar Giovane Gaspar da Silva, de 24 anos, e o segurança Magno Braz Borges, de 30 – foram presos em flagrante e tiveram a prisão preventiva decretada na tarde desta sexta.

Magno é funcionário terceirizado do supermercado. Segundo a Polícia Militar no Rio Grande do Sul, Giovane não poderia estar trabalhando no local.

Com G1

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Por favor digite seu comentário!


COMENTÁRIOS: O País defende a liberdade de expressão e o debate livre de ideias. Entretanto, todos os comentários são mediados pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Advertimos, no entanto, de que os comentários devem cumprir os critérios estabelecidos pela Coordenação Editorial, nomeadamente, não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem, não ofender o bom-nome de pessoas e instituições, não conter acusações sobre a vida privada de terceiros, e não conter linguagem inadequada. Comentários que não respeitarem estes pressupostos não serão considerados.


Por favor, digite seu nome aqui