Candidato, acusado de tortura nos Emirados Árabes, eleito chefe da Interpol

0

Ahmed Al-Raisi, um general dos Emirados Árabes Unidos acusado de supervisionar tortura, foi eleito hoje presidente da Interpol

Ahmed Al-Raisi, inspetor-geral do Ministério do Interior dos Emirados Árabes Unidos, já era membro do comité executivo da Interpol e foi associado à tortura de prisioneiros políticos de alto nível no seu país. Nomeadamente, de Ahmed Mansoor, um dissidente dos Emirados Árabes Unidos, e de Michael Hedges, um académico britânico que foi acusado de espionagem em 2018 e condenado à prisão perpétua.

Hedges foi posteriormente perdoado, mas Mansoor continua na prisão.

Além disso, queixas criminais contra Ahmed Al-Raisiforam foram apresentadas em cinco países, incluindo em França, onde a Interpol tem sede, e na Turquia, onde a eleição do novo líder da Interpol ocorreu.

O novo líder da Interpol foi eleito por 470 chefes de polícia, ministros e outros representantes de mais de 160 países que estão presentes na Assembleia Geral da Interpol na Turquia, que durou três dias, e termina hoje.

A candidatura de Al-Raisi gerou protestos na Europa. E vários deputados franceses apelaram diretamente ao presidente Emmanuel Macron para intervir. Também deputados alemães alegaram que a sua nomeação contradiz a Declaração Universal dos Direitos Humanos.

 

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Por favor digite seu comentário!


COMENTÁRIOS: O País defende a liberdade de expressão e o debate livre de ideias. Entretanto, todos os comentários são mediados pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Advertimos, no entanto, de que os comentários devem cumprir os critérios estabelecidos pela Coordenação Editorial, nomeadamente, não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem, não ofender o bom-nome de pessoas e instituições, não conter acusações sobre a vida privada de terceiros, e não conter linguagem inadequada. Comentários que não respeitarem estes pressupostos não serão considerados.


Por favor, digite seu nome aqui