Carlos Veiga defende ensino do 13 de Janeiro nas escolas

0

Líder histórico que coordenou o movimento de transição de partido único para democracia, admite que não ensinar o significado do Dia da Liberdade e Democracia, hoje assinalado, tem sido um “ponto mais fraco”

          

Carlos Veiga admite mesmo que os programas “estão errados” em relação ao que aconteceu no período de transição para o regime multipartidário em Cabo Verde. Segundo observou em entrevista ao Jornal Expresso das Ilhas, de hoje, naquela altura, 1990/1991 “fazem uma revisão da história recente de Cabo Verde, nomeadamente daqueles 12 meses de 1990. Penso que fazem uma história que não é verdadeira. Elevam uns, diminuem outros”, por isso, diz Carlos Veiga, seria preciso “aprofundar mais a questão: por que é que aconteceu o 13 de Janeiro?”, indaga.

“Qual era a situação que se tinha, por que é que aconteceu e qual foi a resposta. E isso não está a ser ensinado aos nossos meninos nas escolas. É um erro grave que se está a cometer, porque o ensino nas escolas não tem em conta a realidade histórica que ocorreu durante todo o ano de 1990 e princípios de 1991, depois durante todo o ano de 1991 até se chegar à Constituição de 1992”, observou em tom crítico.

Carlos Veiga lembra que a realidade “é dinâmica”, e adverte que há um passado, há um presente e haverá um futuro. “A história deve servir-nos para encararmos o presente e o futuro. Deve servir-nos com o que de bom e com o que de mau teve; devemos valorizar aquilo que de bom a nossa história teve, mas não devemos nos esquecer daquilo que de mau teve e a partir daí tirar lições das lições negativas que a história nos possa ter dado. E tirar lições positivas das lições positivas que a história nos dá”.

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Por favor digite seu comentário!


COMENTÁRIOS: O País defende a liberdade de expressão e o debate livre de ideias. Entretanto, todos os comentários são mediados pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Advertimos, no entanto, de que os comentários devem cumprir os critérios estabelecidos pela Coordenação Editorial, nomeadamente, não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem, não ofender o bom-nome de pessoas e instituições, não conter acusações sobre a vida privada de terceiros, e não conter linguagem inadequada. Comentários que não respeitarem estes pressupostos não serão considerados.


Por favor, digite seu nome aqui