Dívidas dos clientes para com Electra são de 11.330 milhões de Escudos

1

Informação consta do relatório de contas de 2020 da empresa, sublinhando também que os prejuízos da Electra aumentaram para 550 mil contos

O relatório de contas de 2020 da Electra dá conta que o prejuízo da empresa aumentou para 550 milhões de Escudos e que a dívida dos clientes para com a Electra é de 11.330 milhões de Escudos.

As dívidas dos clientes até que desceram ligeiramente no ano passado, 1,7% face aos 11.525 milhões de Escudos de 2019.

Segundo escreve a Agência Lusa, a maior fatia das dívidas ao grupo é de consumidores domésticos, 5.547 milhões de Escudos, seguindo-se as Autarquias, com 2.059 milhões de Escudos, as empresas públicas, com 1.918 milhões de Escudos, as empresas privadas, com 1.458 milhões de Escudos, e o Estado, com 345 milhões de Escudos.

Da dívida global associada às três empresas do grupo, Electra SA, Electra Sul e Electra Norte, 61,5% é das contas da Electra Sul, que serve a Ilha de Santiago.

O grupo registou uma quebra de 11,9% no volume de negócios em 2020 face ao ano anterior, para 8.492 milhões de Escudos, enquanto os resultados líquidos foram negativos (prejuízos) em 505 milhões de Escudos, aumentando mais de 35% face aos prejuízos de 368 milhões de Escudos em 2019.

Segundo o documento, o grupo produziu 419,2 Gigawatt-hora (GWh) de eletricidade em 2020, sendo 83,2% de origem térmica, 15,2% eólica e 1,6% solar.

1 COMENTÁRIO

  1. Não me acredito porque eu não deve nem só um centavo e os consumidores domésticos tenhão que pagar todos os meses e dentro de horas, e se não for será automáticamente cortado e não será ligado antes de de ter pagado as dividas ainda com o custo da nova ligação.

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Por favor digite seu comentário!


COMENTÁRIOS: O País defende a liberdade de expressão e o debate livre de ideias. Entretanto, todos os comentários são mediados pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Advertimos, no entanto, de que os comentários devem cumprir os critérios estabelecidos pela Coordenação Editorial, nomeadamente, não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem, não ofender o bom-nome de pessoas e instituições, não conter acusações sobre a vida privada de terceiros, e não conter linguagem inadequada. Comentários que não respeitarem estes pressupostos não serão considerados.


Por favor, digite seu nome aqui