Dom Ildo Fortes destaca trabalho dos Diáconos Permanentes na Igreja de Mindelo

0

A Diocese de Mindelo conta com a forte colaboração de um grupo de Diáconos Permanentes, distribuídos pelas Ilhas de Santo Antão, São Vicente e Sal, com missão específica nas respetivas Paróquias

          

Dom Ildo Fortes elogia o trabalho que os Diáconos Permanentes prestam nas diversas localidades das Paróquias da Diocese de Mindelo onde estão inseridos e reconhece que prestam um “trabalho excelente”, lembrando que os Diáconos “não são criados só para a Liturgia”.

Segundo observa o Prelado de Mindelo, em entrevista ao OPAÍS.cv, o Diaconado na Igreja é para uma área “muito importante” que tem a ver com a caridade. “Tudo aquilo que são trabalhos de organização, de administração, cuidar dos pobres, deviam os Diáconos se encarregarem disso e deixar o Presbítero um bocadinho mais livre para as áreas de espiritualidade e de pastoreio”, anotou, enaltecendo a ação que estes “servidores” fazem sobretudo nas comunidades dispersas, e onde não se pode ter sempre a celebração da Eucaristia.

“Também é próprio do Diácono anunciar o Evangelho e catequizar”, reforça Dom Ildo Fortes, observando que os Diáconos dão um “grande apoio” nas áreas sacramentais, ao assistirem a casamentos, batizados e funerais. “São uma mais-valia muito grande” reforça.

A propósito do Diaconado, o Papa Francisco realça o seu serviço na Igreja. “Vós sois os guardas do serviço na Igreja: o serviço à Palavra, o serviço no Altar, o serviço aos Pobres. E a vossa missão, a missão do Diácono, e o seu contributo consistem nisto: em recordar a todos nós que a fé, nas suas diversas expressões – a liturgia comunitária, a oração pessoal, as diversas formas de caridade – e nos seus vários estados de vida – laical, clerical, familiar – possui uma dimensão essencial de serviço. O serviço a Deus e aos irmãos”.

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Por favor digite seu comentário!


COMENTÁRIOS: O País defende a liberdade de expressão e o debate livre de ideias. Entretanto, todos os comentários são mediados pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Advertimos, no entanto, de que os comentários devem cumprir os critérios estabelecidos pela Coordenação Editorial, nomeadamente, não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem, não ofender o bom-nome de pessoas e instituições, não conter acusações sobre a vida privada de terceiros, e não conter linguagem inadequada. Comentários que não respeitarem estes pressupostos não serão considerados.


Por favor, digite seu nome aqui