EUA. Polícia condenado por matar George Floyd declara-se inocente perante tribunal federal

0

Durante as audiências, o seu advogado insistiu na tese de que o seu cliente se limitou a seguir os procedimentos policiais em vigor e que a morte de George Floyd se deveu a problemas de saúde combinados com a ingestão de drogas, sem convencer os jurados

O polícia condenado pelo assassínio do Afro-americano George Floyd e os seus três ex-colegas presentes no dia da tragédia declararam-se hoje inocentes, no início de um novo julgamento, agora num tribunal federal.

Derek Chauvin, 45 anos, nunca admitiu qualquer erro na morte de Floyd, em cujo pescoço permaneceu ajoelhado durante quase dez minutos, provocando a sua asfixia, em maio de 2020, em Minneapolis.

Chauvin acabou por ser condenado por assassínio e cumpre, desde junho, uma sentença de prisão de 22 anos e meio, após um julgamento no estado de Minnesota.

Durante as audiências, o seu advogado insistiu na tese de que o seu cliente se limitou a seguir os procedimentos policiais em vigor e que a morte de George Floyd se deveu a problemas de saúde combinados com a ingestão de drogas, sem convencer os jurados.

Os colegas de Chauvin – Tou Thao, Alexander Kueng e Thomas Lane – serão julgados em março por “cumplicidade em assassínio”, também pela justiça do estado do Minnesota. Paralelamente, os quatro homens foram indiciados pela justiça federal por “violação dos direitos constitucionais” de George Floyd.

É neste contexto que eles hoje compareceram, por vídeo, perante um juiz federal, tendo todos eles declarado a sua inocência.

A imprensa local noticiou hoje que Derek Chauvin está a negociar um acordo de confissão de culpa para evitar um novo julgamento.

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Por favor digite seu comentário!


COMENTÁRIOS: O País defende a liberdade de expressão e o debate livre de ideias. Entretanto, todos os comentários são mediados pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Advertimos, no entanto, de que os comentários devem cumprir os critérios estabelecidos pela Coordenação Editorial, nomeadamente, não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem, não ofender o bom-nome de pessoas e instituições, não conter acusações sobre a vida privada de terceiros, e não conter linguagem inadequada. Comentários que não respeitarem estes pressupostos não serão considerados.


Por favor, digite seu nome aqui