Falsificação de documentos, peculato e abuso de poder na origem das buscas à Autarquia da Capital

0

Para além do Presidente Francisco Carvalho, dois Vereadores do PAICV e a Secretária Municipal são suspeitos de um conjunto de crimes na principal Autarquia Cabo-verdiana

As buscas realizadas esta quinta-feira, 9, aos serviços administrativos e financeiros e ao Paços do Concelho da Câmara Municipal da Praia, perseguem, pelo menos, 5 crimes.

Um deles é falsificação de documentos públicos, outro é recebimento indevido de vantagem, um terceiro crime seria peculato, um quarto é defraudação de interesses patrimoniais e o quinto é abuso de poder.

Estes 5 crimes são referenciados numa notícia da Agência Inforpress, que cita um “despacho” do Ministério Público.

Para além do Presidente Francisco Carvalho, dois Vereadores do PAICV, Kyrha Hopffer Varela e Jorge Garcia, a Secretária Municipal, Joselina Soares Carvalho, são referenciados como suspeitos de um conjunto de crimes na principal Autarquia Cabo-verdiana.

O despacho do Procurador que ordenou as buscas, ainda refere a duas outras pessoas como suspeitas, sendo Maria Varela e Gilson Correia, respetivamente, Coordenadora da Unidade de Gestão das Aquisições Públicas e técnico superior da Câmara Municipal da Praia.

O mandato de autorização de busca não domiciliária na Edilidade da Capital tem data de ontem, 8, e nele um Procurador da República ordenou que as buscas fossem presididas por um Magistrado do Ministério Público, afeto ao Departamento Central de Ação Penal.

A Construção Barreto é também citada no mandato e as ordens são expressas: “apreensão de documentos, papéis, dinheiros e quaisquer objetos ou instrumentos que sirvam a prova, relativos ao objeto destes autos”.

Da operação da manhã de hoje, as autoridades levaram várias pastas que seguramente contêm informações relevantes para a investigação em curso.

A Agência Inforpress refere, por sua vez, que “já foram carreados elementos probatórios para os autos, que permitem concluir pela existência de indícios suficientes de que os suspeitos acima identificados praticaram os factos que se lhes imputam”.

Entretanto, uma outra informação aponta para uma inspeção referente ao período que antecede a atual gestão municipal na Cidade da Praia.