Governo anuncia novo preço de farinha de trigo com redução em quase 11%

0

Anuncio foi feito pelo Ministro da Agricultura e Ambiente, que avançou que ainda houve uma redução especial de 4% para as indústrias de panificação

Um saco de farinha de trigo que com a escalada de preços tinha subido para 4.600 Escudos, vai custar menos cerca de 11%, para 4. 110 Escudos, graças à intervenção do Governo, que em concertação com a MOAVE conseguiu baixar o preço da farinha e ainda fazer uma redução especial para as indústrias de panificação em quase 4%, passando assim a custar 3.936 escudos por saco.

O anúncio do novo preço, a entrar em vigor de imediato, foi feito pelo Ministro da Agricultura e Ambiente, Gilberto Silva, que efetuou na manhã desta terça-feira, uma visita à MOAVE, em São Vicente.

O Ministro acredita que com esta redução de preços de saco de farinha de trigo vai ter impacto positivo nas famílias, isto porque deve fazer baixar o preço do pão que “é um produto de base para as famílias”, no entanto, Gilberto Silva ainda relembra que nem a MOAVE e nem o Governo, regulam o preço do pão, adiantando que regulam apenas o peso da carcaça.

“Com isto nós entendemos que haverá condições para que não haja de fato uma escalada do preço do pão, é uma vantagem e acima de tudo, que haja concorrência a nível da indústria panificadora e que com base na concorrência também possamos ter os melhores preços”, avançou.

Na mesma ocasião, Gilberto Silva garantiu que o Executivo vai manter-se atento à situação, continuar a analisar e intervir lá onde for necessário para que o País possa assegurar que o sistema alimentar no seu todo seja resiliente e consiga fazer face a este choque internacional.

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Por favor digite seu comentário!


COMENTÁRIOS: O País defende a liberdade de expressão e o debate livre de ideias. Entretanto, todos os comentários são mediados pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Advertimos, no entanto, de que os comentários devem cumprir os critérios estabelecidos pela Coordenação Editorial, nomeadamente, não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem, não ofender o bom-nome de pessoas e instituições, não conter acusações sobre a vida privada de terceiros, e não conter linguagem inadequada. Comentários que não respeitarem estes pressupostos não serão considerados.


Por favor, digite seu nome aqui