Governo quer prevenção para combater gravidez na adolescência 

0

Informação foi avançada pelo Ministro da Educação, Amadeu Cruz, à margem do encontro “Diálogo nacional para adolescentes e jovens instruídos, saudáveis e realizados”

O Governo quer combater pela via da prevenção, assimetrias criadas pela gravidez na adolescência, avança o Ministro da Educação. Por isso realizou um encontro com parceiros da educação e saúde para colher pistas para reforçar os mecanismos de coordenaçao da educaçao à sexualidade e melhorar a colaboração intersectorial.

“E necessário combater as assimetrias dentro do próprio sistema, e uma das assimetrias é a gravidez precoce que atinge uma camada muito relevante das adolescentes, e nós queremos combate-la pela via de prevenção e não pela via de acomodação”, precisou.

Na sub-região Africana em que Cabo Verde está inserido, há uma disparidade no acesso dos adolescentes e jovens aos serviços de saúde sexual e reprodutiva. Para reduzir essa diferença, esses países estão a estabelecer um diálogo nacional na perspetiva de assumir compromissos.

O Ministro da Educaçao reiterou o compromisso do Governo, em procurar formas de reduzir essas desigualdades por via da prevenção.

Questionado sobre situaçoes de violencia contra adolescentes e jovens nos meses mais recentes, Amadeu Cruz explicou que o Governo acompanha esse fenómeno com preocupação e está a preparar uma resposta conjunta a essa problemática.

“Tem havido sinais preocupantes, e neste sentido há uma ação concertada do Ministério da Educação com outros ministérios, designadamente o Ministério de Administração Interna, que tem mantido a presença da polícia de proximidade, para exatamente conter esses fenômenos nas escolas”, explicou.

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Por favor digite seu comentário!


COMENTÁRIOS: O País defende a liberdade de expressão e o debate livre de ideias. Entretanto, todos os comentários são mediados pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Advertimos, no entanto, de que os comentários devem cumprir os critérios estabelecidos pela Coordenação Editorial, nomeadamente, não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem, não ofender o bom-nome de pessoas e instituições, não conter acusações sobre a vida privada de terceiros, e não conter linguagem inadequada. Comentários que não respeitarem estes pressupostos não serão considerados.


Por favor, digite seu nome aqui