Líder Ucraniano exige “castigo justo” à Rússia

0

Presidente Zelensky discursou na Assembleia Geral das Nações Unidas, via videoconferência, tendo também exigido a retirada do poder de veto a Moscovo

O Presidente da Ucraniano, Volodymyr Zelensky, interveio esta quinta-feira, 22, na Assembleia-geral das Nações Unidas, a decorrer em Nova Iorque.

O líder Ucraniano usou a videoconferência para falar aos demais líderes mundiais, tendo vincado que a Rússia, por ordens de Vladimir Putin cometeu um “crime” contra o seu País, pelo que se espera um “castigo justo”. Em concreto, Zelensky pediu a retirada do poder de veto à Rússia.

Desde o início da invasão Russa, a 24 de fevereiro, o Conselho de Segurança das Nações Unidas já se reuniu por diversas vezes, mas não foi capaz de tomar uma ação decisiva, uma vez que a Rússia é um dos cinco membros permanentes com poder de veto, ao lado dos Estados Unidos, França, Reino Unido e China.

Hoje, quinta-feira, o Conselho de Segurança volta a reunir-se em Nova Iorque para discutir a evolução da guerra na Ucrânia. Vários países ocidentais têm acusado a Rússia de cometer crimes de guerra e de visar civis nos seus ataques.

Na sua comunicação, o Presidente da Ucrânia elencou várias condições para a Paz que são inegociáveis para o seu País. Estas condições incluem a punição pela agressão Russa, restauração da segurança e integridade territorial da Ucrânia e garantias de segurança ao País.

Zelensky apelou ainda à criação de “um Tribunal especial” para punir a Rússia pela “agressão” contra a Ucrânia.

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Por favor digite seu comentário!


COMENTÁRIOS: O País defende a liberdade de expressão e o debate livre de ideias. Entretanto, todos os comentários são mediados pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Advertimos, no entanto, de que os comentários devem cumprir os critérios estabelecidos pela Coordenação Editorial, nomeadamente, não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem, não ofender o bom-nome de pessoas e instituições, não conter acusações sobre a vida privada de terceiros, e não conter linguagem inadequada. Comentários que não respeitarem estes pressupostos não serão considerados.


Por favor, digite seu nome aqui