Lutámos, estamos a fazer um bom combate, vamos vencer, Cabo Verde vai vencer

1

Esta convicção foi expressa, esta manhã, no Parlamento, pelo Primeiro-Ministro, ao apresentar ao plenário a proposta de Orçamento Geral de Estado para o ano económico de 2022

O Parlamento iniciou o debate da proposta de OGE para o próximo ano. Ao introduzir o tema, o Primeiro-Ministro foi contundente ao afirmar que Cabo Verde “vai vencer” os desafios que se lhe colocam pela frente.

Aliás, observou, na ponta final do seu discurso, que o País está a viver momentos difíceis, mas que se trata de um momento “transitório”, até porque Cabo Verde “é um País resiliente”.

O PM deu conta de que o OGE, para além da gestão da conjuntura, aposta na continuação da trajetória para tornar a economia nacional “mais resiliente e mais diversificada”, com destaque para, o desenvolvimento do capital humano como motor do processo de transformação estrutural, através da educação de excelência, da qualificação profissional, do desenvolvimento de competências e de talentos, da atitude empreendedora, da inovação e da extensão do país à diáspora; contempla a transição energética para reduzir a dependência dos combustíveis fósseis através de energias renováveis e da mobilidade elétrica; a viabilização da agricultura através da dessalinização da água e a reutilização segura e tratada de águas residuais associadas às energias renováveis; estima a transformação digital e a economia digital para melhorar a eficiência do Estado e das empresas e posicionar Cabo Verde como uma plataforma de serviços tecnológicos e digitais, a par do desenvolvimento da economia azul orientada para a prestação de serviços internacionais no setor marítimo, a indústria pesqueira exportadora e o turismo náutico.

O turismo “mais diversificado e desconcentrado”, com alavancagem dos setores agro-pesqueiro, das indústrias criativas e aproveitamento do potencial do turismo de saúde e a dinamização da indústria transformadora e a exploração de nichos na indústria extrativa são outras apostas da proposta.

Áreas prioritárias

UCS apontou as prioridades do OGE, e asseverou que a “primeira prioridade” é a eliminação da pobreza extrema e redução da pobreza absoluta através da inclusão e proteção social e da inclusão produtiva. Depois, elencou a educação, o rendimento, cuidados, saúde, habitação, energia e água como outras áreas prioritárias da ação governativa.

Garantiu, a manutenção da subsidiação do Ensino Pré-Escolar, a gratuitidade no Ensino Básico e Secundário, transporte escolar, alimentação e kits escolares, a par da gratuitidade no acesso e frequência a pessoas com deficiência para todos os níveis de ensino e de formação profissional.

O PM ainda garantiu que o OGE estima beneficiar perto de 24 mil pensionistas, entre idosos e crianças com deficiência, do regime não contributivo e 4.500 famílias com Rendimento Social de Inclusão.

1 COMENTÁRIO

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Por favor digite seu comentário!


COMENTÁRIOS: O País defende a liberdade de expressão e o debate livre de ideias. Entretanto, todos os comentários são mediados pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Advertimos, no entanto, de que os comentários devem cumprir os critérios estabelecidos pela Coordenação Editorial, nomeadamente, não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem, não ofender o bom-nome de pessoas e instituições, não conter acusações sobre a vida privada de terceiros, e não conter linguagem inadequada. Comentários que não respeitarem estes pressupostos não serão considerados.


Por favor, digite seu nome aqui