MpD repudia “totalmente” suspeições lançadas pelo PAICV sobre eleições Legislativas

1

Repúdio chegou pela voz da Secretária Geral, Filomena Delgado, para quem, com esta atitude, o PAICV mostrou ser um “mau perdedor”

          

O MpD, vencedor das eleições Legislativas de 18 de Abril, repudiou, esta segunda-feira, 3, as suspeições lançadas pelo PAICV sobre as eleições no País. Filomena Delgado disse que o Partido “repudia totalmente” tais suspeitas em torno dos resultados eleitorais, e apontou que esta posição, “além de demonstrar ser um mau perdedor, demonstra que o PAICV também revela “um total desrespeito” pelos Cabo-verdianos.

A SG do MpD sublinhou que os Cabo-verdianos “não são manipuláveis”, e advertiu que “por muito que custe ao PAICV, esse tempo terminou há 30 anos”.

“Se o PAICV ficou surpreendido pelos resultados eleitorais a responsabilidade é exclusivamente sua. Não venha agora acusar os Cabo-verdianos”, enfatizou, para mais adiante acusar o PAICV de fazer política de terra queimada, quanto Ulisses governava.

“Enquanto o MpD governava e retirava Cabo Verde da crise económica em que o PAICV nos colocou, o Partido liderado por Janira Hopffer Almada fazia uma política de terra queimada nunca reconhecendo as dificuldades que milhares de Cabo-verdianos estavam a atravessar e os sinais positivos que iam surgindo. Nem em período de pandemia o PAICV se colocou ao lado do País, tendo mesmo uma posição negacioinista colocando em risco a vida dos Cabo-verdianos”, disse, lamentando que o PAICV continue a prestar “um mau serviço” à democracia. “Os Cabo-verdianos merecem mais respeito. A vontade popular manifestada nas eleições foi a vontade de um povo livre com capacidade de decidir o seu futuro”, considerou.

Delgado espera que com esta “grande vitória” que os Cabo-verdianos “deram” ao MpD “sirva de lição” à Oposição.

1 COMENTÁRIO

  1. Racionalidade económica (liberal!) do Paicv. Em Cabo Verde o voto é uma “ação” papel-mercadoria cotada em Bolsa” e disso ninguém duvida, em um “mercado desigual” (deformações de mercado, diria o Samilo Moreira), “concorrência imperfeita” diria o Avelino Bonifácio, “entrega de mercado e seu filé mignon” nas mãos de um único operador (amigo do poder), diria o patusco Julião varela. A “procura” é dominada por um único gigante: MpD. Do lado da “oferta” a situação é caracteriza por uma proliferação de pequenos “produtores marginais” (oferta otimizada, relação a átomos), que, invertendo toda a lógica económica, são extremamente poderosos, também contrariando os teoremas todos, decidem sobre as leis e as curvas da oferta/procura, preço/oferta/procura/margem e lucro. O “pregão” do voto é uma loucura! São, ao todo “392.899 pequenos vendedores”. Nessas circunstâncias 167.138 resolveram não cotar as suas ações. Exerceram o “direito de preferência” sobre os seus “próprios papeis”, uma OPA sobre a OPA, não vender a suas “posições” neste ano. Em outubro, o mercado volta a abrir-se e logo se verá. Para evitar total domínio, por parte do MpD, o Paicv subiu a parada, aumentando o preço de compra OPA/OPA: se em 2016 pagava entre 10 e 15 contos/ação, em abril de 2018, para deter e evitar o monopólio e abuso do poder por parte do gigante MpD, o Paicv pagou entre 20 e 30 contos/cupão. Assim, o Paicv, com muito esforço, o Paicv lá consegui abocanhar 87.151 “posições no mercado de compra”, que espera trocar contra o “bound do Tesouro” que o Olavo espera distribuir no OGE de 2022, ao preço médio de 15 contos/cada. As ações do grupo valorizaram e evitou o domínio do mercado pelo MpD no “Índice NADASK”. A “operação” de investimento terá custado ao Paicv qualquer coisa como 1.307.265.000 ECV, mobilizados a preço muito competitivos nos “Mercados de Cupões de Carracas – Venezuela”. Com este investimento, o Paicv conseguiu evitar o “domínio e o poder dominante” do concorrente, que ficou longe dos desejados2/3 necessários para exercer o monopólio sobre o mercado. Em outubro abre-se a nova temporada de OPA, com venda de ações para o patrão JMN.

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Por favor digite seu comentário!


COMENTÁRIOS: O País defende a liberdade de expressão e o debate livre de ideias. Entretanto, todos os comentários são mediados pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Advertimos, no entanto, de que os comentários devem cumprir os critérios estabelecidos pela Coordenação Editorial, nomeadamente, não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem, não ofender o bom-nome de pessoas e instituições, não conter acusações sobre a vida privada de terceiros, e não conter linguagem inadequada. Comentários que não respeitarem estes pressupostos não serão considerados.


Por favor, digite seu nome aqui