Não Senhor Pedro Pires!

6

Como chegar a um consenso nacional sobre as datas históricas se Pedro Pires, Combatente da Liberdade da Pátria, ex-Primeiro Ministro e antigo Presidente da República considera que “13 de Janeiro é apenas a data de uma eleição”!

Não quer que se impõe um sentido à história, mas quer impor-nos o “seu” sentido da história, desvalorizando o 13 de Janeiro de 1991!

Não Senhor Pedro Pires!

13 de Janeiro de 1991 foi mais do que uma data de eleição, pois durante os 15 anos do Regime totalitário de Partido Único foram realizadas eleições em que concorria um só Partido, que não tinham outra função senão legitimar o Regime, dominado por um Partido, que se autoconsagrou como Força Dirigente da Sociedade e do Estado!

13 de Janeiro de 1991 foi sim uma data em que foram realizadas as primeiras eleições democráticas, competitivas, universais, que marcaram a data implantação da Democracia pluralista, o Estado Direito e a construção de uma economia de base privada, restituindo aos cabo-verdianos da liberdade de escolha, em eleições livres e competitivas, dos seus representantes.

Marca o advento da II República, o que permitiu realizar maior mudança, porque estrutural ( um novo regime político, um novo sistema de governo, uma nova economia e Poder Local Democrático), ocorrida no Cabo Verde Independente, consagrada pela Constituição de 1992.

Enfim, conferir maior solenidade ao 20 janeiro não pode justificar a desvalorização do dia 13 de janeiro de 1991, considerando-o, nada mais do que uma data de realização de uma eleição em que 2/3 dos cabo-verdianos decidiram, soberanamente, votar no MpD! Deixa de ser importante e digna da nossa história política recente resulta de um simples fato: o PAICV, liderado por Pedro Pires foi derrotado nas urnas por vontade do Povo!

Com todo o respeito e consideração que sabe que tenho por si, não podia deixar de reagir à sua comunicação, que considero infeliz, pois sei que o Senhor sabe que 13 de Janeiro de 1991 não significa apenas a “data de realização de uma eleição”!

Se não é assim, então pretende impor o seu sentido da história e isto não será possível porque a liberdade e a democracia que instalamos juntos deram-nos o PODER de romper com a interpretação monista da história da nossa Terra!

Caboverdianamente!

6 COMENTÁRIOS

  1. Jacinto Santos começa muito bem, porém, termina mal o texto em cima. Não se pode ter “respeito e consideração” por quem não tem respeito nem consideração pelo povo de Cabo Verde. Pedro Pires chegou a primeiro-ministro sem o consentimento expresso pelo voto popular universal e secreto. Logo, foi um PM ilegítimo. Foi PR, no primeiro mandato, com votos fraudulentos. Logo, não tem nem respeito nem consideração pra ninguém. Logo, não pode também merece-los de ninguém.

  2. Do sofá da minha casa ouvi com estranheza e tristeza a reação do ex PR PPires a data memorável do país: 13 de Janeiro! Meras eleições onde foi derrotado!! Essa ficará na biografia do ex Presidente, que foi em 10 anos, o guardião da nossa Constituição! Meras eleições?!! Não senhor, foi a DISRUPCAO de tudo o que até aquela altura tinha-se como via de condução da República. Foi um construir de novo.. foi o deitar a baixo o edifício e construi-lo com novos alicerces para que pudesse perdurar na paz, na dignidade e na democracia como tem funcionado até hoje.

  3. January 13th of 1991, must be remembered as an important date for Cape Verde. It’s not just an election day, CHANGE was taking shape from that day forward. It doesn’t matter what party we belong too, what religion we confess to, if we are in fact True Cape Verdean, we HAVE to admit that January 13th is one of the most important date for our nation. When nonsense is spoken, we must rebuttal with TRUTH and FACTS. We need a strong Museum in cape Verde, the MUSEUM OF LIBERTY AND DEMOCRACY, under one roof we will have; the history of fight for independency and the history of the fight for democracy.
    I hope to see it one day…..

  4. Companheiro em factos e realizados de: Pinochet, Mussolini, Hitler e outros comparsas…Nunca se transformara em cidadão DEMOCRATICO. O povo nunca esquecerá de si! Espero que antes que morra, seja julgado pelos crimes que cometeu, neste pacto país que foi propriedade privada sua durante 15 anos…

  5. Não, Camarada Pepi
    O 13 de Janeiro foi mais, imensamente do que uma simples data eleitoral.
    O 25 de Abril tem igual valor, diria mesmo que tem mais valor do que o 5 de Julho, que em si foi uma data muito importante, mas infelizmente acabou por ser inicio de um triste período para a nação cabo-verdiana, que sonhava com independência + liberdade e só viu medo, perseguição, torturas e reabertura da cadeia do Tarrafal para aqueles que não se conformaram com a o partido único.
    O 13 de Janeiro é comparável ao 25 de Abril em Portugal e à mesma data na Itália. Pode comparar-se também à queda da Bastilha que se assinala a 14 de Julho na França.
    Somente gente que nunca interiorizou os valores da liberdade e da democracia, como Pedro Pires, pode fazer uma afirmação do género.

  6. De Pedro, o Pires da accao e da boca dele nada espanta; dele a gente que e safado e patife.
    As vezes penso que a raposa tem razao. Porque o 13 de Janeiro o branqueou e ate o promoveu ao pai de democracia. Ofensa grande ao caboverdiano a a caboverdianidade quando esse tirano foi admitido a candidadura presidencial porquando, deveria ter processos legais a volta e em torno da sua accao criminosa no periodo 75/90.
    O que se espera, e o minimo, que os investigadores e os historiadores falem sobre o pesadelo de Pires no Cabo Verde independente.

    Korda

Comments are closed.