Nova central solar e projeto de iluminação pública vão impulsionar transição energética no Fogo

Garantias do PCA da Electra, que se encontra na Ilha, para inaugurar a loja dos Mosteiros

Conforme Luís Teixeira, a construção da central solar com capacidade de 1.4 megawatts e com baterias de dois megawatts/hora vai mudar a Ilha em transição energética

Segundo disse, trata-se de um projeto do Governo, que representa “mais ou menos a metade da produção atual da Ilha” e com “muito impacto”, sobretudo na transição energética e na diminuição de entrada e consumo de combustível na Ilha.

Luís Teixeira salientou que a parte dos painéis solares foi lançada um concurso e com um vencedor e o empreiteiro confirmou, já que as obras começarão em meados de junho/julho, na localidade de Patim, zona sul do Município de São Filipe, onde será localizada a central.

Em relação às baterias disse que se está neste momento no processo de lançamento de concurso público para seleção do fornecedor.

O PCA da Electra revelou também que a empresa está a montar um “grande projeto” com o Governo, para mudança de todas as lâmpadas, fazendo a transição das lâmpadas de vapor de sódio e mercúrio para led, como aconteceu nas Ilhas do Sal e Santiago e com “ganhos significativos”, com poupança de “mais de 50%”.

“Na Ilha do Fogo, temos cerca de 4.200 pontos de iluminação pública com um rácio de 12 pontos para cada 100 habitantes. É um número razoável, mas precisamos melhorar e estamos num processo de reforço da iluminação” destacou.