Novo Serviço de Unidade de Cuidados Intensivos do HAN vai contribuir para redução de óbitos

0

Investimento está avaliado em mais de 100 mil contos, co- financiados pelo Governo e parceiro

O Primeiro-Ministro, Ulisses Correia e Silva, destacou a importância para a população Praiense em passar a dispor de um novo serviço de Unidade de Cuidados Intensivos junto do Hospital Universitário Agostinho Neto, na Cidade da Praia. O PM que presidiu a inauguração dos novos serviços, teve em consideração o montante aplicado nesta nova estrutura, avaliado em mais de 100 mil contos, co- financiados pelo Governo, o Fundo Global, CCS-SIDA, OMS, Embaixada de Portugal e a Cooperação Chinesa.

Para o Chefe do Governo trata-se de um serviço de qualidade ora inaugurado, o que para ele, significa uma vez mais, que o Executivo que lidera tem feito as apostas assertivas em um conjunto de serviços, como são as na digitalização, na tecnologia e qualificação dos recursos humanos em termos de médicos, enfermeiros e técnicos.

A importância da saúde para o Governo, assegura UCS, tem sido demonstrada ao nível dos investimentos que tem sido feitos nos Centros de Saúde e agora aquilo que está na forja que é a construção do novo Hospital de Cabo Verde a ser construído na Cidade da Praia. Entretanto, Imadueno Cabral, Presidente do Conselho de Administração do HAN, indicou que a instalação da Unidade de Cuidados Intensivos, UCI, constitui um “marco histórico” para Cabo Verde por apresentar melhores condições técnicas, tecnológicas e humanas.

Para justificar o investimento este responsável enumerou alguns dados estatísticos como são as condições atuais de funcionamento em que o HAN atende por ano mais de 100 mil utentes nos Serviços de Urgência, sendo que mais de 15% são assistidos nas unidades de cuidados especiais, em média também são evacuados mais de centenas de pacientes.

Hoje, com a instalação da UCI, precisou, o HAN passa a disponibilizar de um espaço próprio, melhores condições técnicas, tecnológicas e humanas, uma assistência mais qualificada para reduzir os óbitos e indumentar novas valências médicas e cirúrgicas, contribuir para a redução dos doentes para o estrangeiro.