Número de mortes por inundações na China sobe de 12 para 25

Trata-se das chuvas mais intensas dos últimos 60 anos, segundo as autoridades Chinesas, que chamaram efetivos militares para tentar impedir o desabamento de uma barragem

O número de mortes devido às chuvas torrenciais que assolam o centro da China subiu de 12 para 25, anunciaram hoje fontes oficiais. Trata-se das chuvas mais intensas dos últimos 60 anos, segundo as autoridades Chinesas, que chamaram efetivos militares para tentar impedir o desabamento de uma barragem.

Zhengzhou, a capital da província de Henan, foi atingida terça-feira por chuvas torrenciais, segundo a agência noticiosa oficial Xinhua, que adiantou que a torrente de lama e de água transformou as ruas em canais, inundando estações de metro e bairros inteiros.

O Presidente Chinês, Xi Jinping, já considerou a situação “extremamente grave”, mesmo depois de o País ser regularmente vítima no verão de fortes enxurradas, tendo confirmado a morte de 25 pessoas e o desaparecimento de outras sete.

Xi Jinping apelou à mobilização de todos face as consequências do mau tempo. “As barragens desabaram, causando feridos graves, mortes e danos materiais. A situação na frente de inundação é extremamente grave”, admitiu.

As autoridades locais indicaram terem sido retirados cerca de 200.000 dos dez milhões de residentes de Zhengzhou, uma cidade 700 quilómetros a sul de Pequim, que recebeu em três dias o equivalente a quase um ano de chuva.
A China vive habitualmente inundações durante o verão, mas o crescimento das cidades e a conversão de terras agrícolas em subdivisões aumentaram o impacto destes eventos.

No ano passado, os níveis das cheias no sudoeste do País bateram recordes, destruindo estradas e obrigando dezenas de milhares de habitantes a abandonarem as suas casas.

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Por favor digite seu comentário!


COMENTÁRIOS: O País defende a liberdade de expressão e o debate livre de ideias. Entretanto, todos os comentários são mediados pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Advertimos, no entanto, de que os comentários devem cumprir os critérios estabelecidos pela Coordenação Editorial, nomeadamente, não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem, não ofender o bom-nome de pessoas e instituições, não conter acusações sobre a vida privada de terceiros, e não conter linguagem inadequada. Comentários que não respeitarem estes pressupostos não serão considerados.


Por favor, digite seu nome aqui