O caso do Liceu da Várzea

Normalmente tenho muito cuidado para não contribuir para disseminar as narrativas que a oposição coloca a circular, mas neste caso, tendo em conta a dimensão da minha indignação, a gravidade e a ligeireza da mesma não me pude conter, primeiro por obrigação mas, também, por considerar que se está a chegar ao cúmulo de se por em causa os superiores interesses de Cabo Verde. Pelo que não poderia deixar que narrativas daninhas tenham espaço livre para germinar.

Cabo Verde não precisa disto, Cabo Verde merece mais.

Merece mais da liderança do maior partido da oposição. Merece mais de um partido que governou 30 anos dos 43 anos de Cabo Verde independente. Não é razoável atacar, gratuitamente, um parceiro central do processo de desenvolvimento de Cabo Verde, quer através da APD ou pelo facto de acolher a maior comunidade Cabo-Verdiana na diáspora. Porque, se de facto, fomos “enganados”, os Estados Unidos de América serão os “enganadores”.

Não nos parece que esta seja a forma minimamente razoável de nos mostrarmos ao mundo. E, mais ainda, temos a certeza que não é assim que defendemos os superiores interesses de Cabo Verde. Penso que os interesses de Cabo Verde estão precisamente no polo oposto da abordagem que a líder da oposição fez no seu post sobre o caso do liceu da Várzea.

A deslocalização ou venda (como ela prefere tratar) do liceu da Várzea é parte de um processo consensual onde intervieram várias instituições tudo para se conseguir a melhor solução e o melhor equilíbrio da satisfação de todos.

Primeiramente (e o coloco na frente pela sua relevância), a decisão dos EUA de avançar com a construção deste complexo significa o “upgrade” da nossa relação e aposta clara e inequívoca em Cabo Verde. Este facto é, por si só, motivo de celebração pois estamos a ganhar relevância e notoriedade no quadro da geopolítica Americana e mundial.

Assim, sem titubear, tenho o entendimento de que Cabo Verde deve sim criar as melhores condições para a instalação desta instituição.

Quando à deslocalização do liceu da Várzea, estamos a falar de uma infraestrutura desajustada, ultrapassada pelo tempo e em alto estado de degradação, que precisa de um significativo investimento para o colocar num patamar mínimo das escolas contemporâneas e, assim, poder estar à altura de responder às necessidades de ensino que se ambiciona.

O que se está, na verdade, a alienar é um trato de terreno de 12,936 m2 onde a escola se encontra edificada.

E o Estado de Cabo Verde recebe em contrapartida 5,800,000 USD (cinco milhões e oitocentos mil dólares), cerca de 530 mil contos, que vai ser utilizado para a construir e equipar devidamente um liceu novo em Taiti, ainda requalificação e ampliação de três escolas básicas da Várzea e Terra Branca, para sua transformação em complexos Educativos. Não me parece necessário entrarmos na Ana análise financeira da contrapartida que o Cabo Verde recebe para percebermos as virtudes deste processo, mas se insistirmos neste caminho tenho a dizer que, a título de exemplo: 530 mil contos é superior ao orçamento anual da maioria das nossas câmaras; A CMSV, o segundo maior aglomerado, tem um orçamento anual de cerca de 900 mil contos.

Como se pode notar, a abordagem que o PAICV faz ao processo é ligeira, populista e de um oportunismo primário que os deixa de rastos. É uma brincadeira do tamanho da ignorância que tem reinado no PAICV trazer este facto para a guerrilha política, porque não serve Cabo Verde, não serve os superiores interesses dos Cabo-verdianos, não serve a nossa imagem externa, não serve a nossa economia, não serve a nada, nem ninguém, a não ser à ânsia da atual liderança do PAICV de alimentar a sua entourage política e ideológica.

Não restam dúvidas que o partido se transformou num partido de “casos” onde tudo vale e se submete ao básico instinto de explorar um suposto antiamericanismo (que não existe em Cabo Verde) para tirar proveito político.

Cabo Verde não precisa disso, Cabo Verde merece mais.



4 COMENTÁRIOS

  1. Espero que os Americanos, e os muito mais Cabo-Verdianos nos EUA do que em CV, saberão diferenciar ESSAS COISAS que envergonha o nosso País do VERDADEIRO CABO-VERDIANO!!

Comentários estão fechados.