O princípio do fim

3

Janira Hopffer Almada convocou a imprensa para declarar apoio ao candidato José Maria Neves. Uma declaração pejada de presunção, sem autenticidade alguma.

Presunção porque JHA, derrotada nas recentes eleições legislativas, demitida do cargo de presidente do PAICV, convoca a imprensa para declarar apoio ao candidato presidencial JMN, como se ela fosse uma eminente personalidade política da atualidade, colocando-se num patamar acima do próprio PAICV.

Mas a presunção é de tal ordem que JHA quase ordena o povo a escolher o presidente que ela quer e esquece que ela própria foi ainda há dias categoricamente rejeitada por esse mesmo povo. Alguém que não conseguiu agregar o seu partido, que foi recentemente rejeitada pelo povo, não se coíbe de aconselhar uma direção ao povo. Está tudo tão fresco!

Uma declaração sem autenticidade, pois toda a gente sabe que JHA culpabilizou JMN pelas derrotas que sofreu em 2016 e em 2021.

JHA disse que “é preciso apoiar causas e não pessoas”. Fica claro que JHA não apoia a pessoa JMN, mas “causas”. Como se nas eleições personalizadas como são as presidenciais, “causas” pudessem existir no abstrato, sem estarem relacionadas com as pessoas dos candidatos.

JHA é a última pessoa que devia falar em causas. Ela teve sempre uma agenda pessoal que passou pelo silenciamento e a destruição de quaisquer vozes diversas dentro do partido que ela dirigiu. Alguém se lembra dos processos disciplinares a deputados? JHA imperou com uma combinação perniciosa entre a obsessão pelo poder, o desrespeito pela diferença  e um enorme desprezo pelo percurso político de várias lideranças, nacionais e locais do seu próprio partido. Desprezou opiniões contrárias e usou todos os meios para afastar os que pensam diferente. Este tipo de liderança tem um nome: autocracia!  Com este tipo de liderança, fica difícil compreender o conceito “causas”.

A declaração de JHA demonstra claramente em que mares navega a candidatura de JMN. São alianças de última hora com o único propósito comum: derrubar o governo que foi eleito no dia 18 de Abril pelos cabo-verdianos.

3 COMENTÁRIOS

  1. E’ verdade que é o escritório da JHA que presta assessoria jurídica as câmaras do PAICV? A ser verdade isto cheira corrupção.Os deputados municipais do MPD devem tirar isso a limpo. Então ela coloca os presidentes de câmara no poder para depois cobrar pela nomeação? Então Cabo Verde já virou fábrica de JHA? Estou a perguntar porque alguém me confidenciou tal abominação.

  2. Será Verdade. Eu acredito nisso. Que o Escritório onde a Senhora Janira Almada, preste apoio jurídico às Câmaras ganhas pelos candidatos apoiados pelo PAICV. Durante os 15 anos da governação do PAICV este escritório ganhou uma fortuna a fazer ou melhor a copiar leis por encomenda do Governo de José Maria Neves.Também, o Escritório de Ilídio Cruz facturou e muito. Foi um regabofe com a feitura de leis. Para o PAICV, vale a máxima Ouve o que digo e não olhes o que faço ou digo.

  3. A grande arrogância da JHA é inversamente proporcional à figura patética deste JMN. Como foi possível a este JMN admitir que uma pessoa com cinco derrotas consecutivas nos últimos cinco anos tenha a coragem de ir à comunicação social pedir votos para a sua candidatura, sendo que a própria JHA, há muito que não consegue ajudar-se a si própria a eleger? Ou seja, Janira não se faz eleger por cinco vezes, mas acredita que irá eleger JMN. É de bradar aos céus a “nocentessa” e essa tolice que tomou conta desta turma patética do paicv. A maior ajuda que JHA pode dar a JMN é ficar calada, nos próximos cinco anos. Mas não, essa gentalha, despreparada, mas arrogante e estupidificada, o quanto basta, não acerta uma única vez.

Comments are closed.