O socialismo é um “ideal” inviável e absurdo

6

Bom dia, meu querido povo. Estimados compatriotas!

Vou EXPLICAR-vos algo que eu nunca vi (explicado…) em NENHUMA parte – nem nos jornais, nem nas revistas científicas das universidades, etc. – neste país de debates precários e onde pulula, já agora, uma legião de idiotas úteis e truculentos de meia tigela, dissertando sobre realidades que eles não entendem.

Só um BURRO, mas uma alimária autêntica, pode defender o SOCIALISMO. Aprendi isto, há vários anos, com Ludwig Heinrich Edler von Mises, que cito, com reverência, também há vários anos, nos meus livros, “posts” e artigos.

Von Mises reduziu Karl Marx à mais pura insignificância. É claro que as escolinhas superiores cabo-verdianas ESCONDEM isso, meticulosamente, dos seus alunos, futuros cobaias socialistas e “revolucionários”!

Olavo de Carvalho, um dos maiores Filósofos do mundo, com uma obra científico-critica monumental, também me ajudou, bastante, a arrumar os conceitos e a clarificar o raciocínio.

A minha convicção alicerça-se, assim, numa base sólida e bem fundamentada, após ANOS de estudo paciente e análise meditada da realidade. Percebem, ó catraios insignificantes?

O problema do socialismo é LÓGICO. Este é o ponto fundamental. O socialismo é uma coisa ilógica. Absurda. Maluca. Inviável.

Só um ser destituído de consciência e da mais elementar inteligência pode sufragar a crença socialista.

Em resumo, como já esclareceram os meus queridos mestres, o socialismo baseia-se nesta falácia: o Estado é, AO MESMO TEMPO, o ÚNICO produtor e consumidor!

Repito, só um ASNO incorrigível consegue acreditar nessa utopia tola e sem futuro. É uma burrice infantil e truculenta e ponto final.

É por isso que FALHOU, sempre e em todo o lado, da antiga URSS à Coreia do Norte, passando por Cuba ou Venezuela.

Só produziu três coisas básicas: miséria, opressão e genocídio, enredado, aliás, nas suas próprias contradições.

A enteléquia do socialismo, digamos assim, é o caos e o inferno totalitário, que Aleksandr Soljenítsin descreve muito bem no seu livro de denúncias das atrocidades comunistas.

QUALQUER experiência socialista é, portanto, pueril e está fatalmente condenada ao fracasso, ab initio. É lógico. Não pode funcionar. Jamais.

Percebem agora, seus tristes idiotas úteis, ou querem que eu faça desenhos?

Ps: este meu “post” é mais importante do que todo o lixo económico que os professores comunistas ensinam, há uma década, nas universidades de Cabo Verde. E estou a ser generoso e simpático. Fui!

6 COMENTÁRIOS

  1. “não conter linguagem inadequada.” É exasperante que permitam a este cronista publque textos que “idiotas”, “burros” etc se tornou uma constante. Exigem a quem comente contenção e depois temos este texto…não é por acaso que vos acusem de ser parciais e facciosos!

    • E permitir que estes “idiotas úteis” e “burros” querer fazer de nós todos Cabo-Verdianos “rebanhos” da espécies deles não é uma ofensa?

  2. É óbvio que o senhor “Marx” está a fazer-se de desentendido ou a agir de má-fé. O meu texto de reflexão, original no nosso país, NÃO contém rigorosamente nenhuma ofensa contra ninguém em particular. É isto que o jornal O País tenta evitar: ataques pessoais gratuitos e injustificados. O meu post possui apenas argumentos, e argumentos fortes, contra uma forma de pensar que só provocou opressão e miséria nos países onde ganhou terreno. Isso irritou o nosso “Marx”?! O uso de determinadas expressões, no caso do meu texto, enquadra-se dentro de uma estratégia discursiva legítima e universal. Situa-se no âmbito da sátira mordaz e do combate público contra certas ideias perniciosas. Aliás, Karl Marx, o verdadeiro, era campeão absoluto no uso de expressões pejorativas e mesmo obscenas. Não o sabeis? Vamos proibir a obra dele por causa disso? Aquilo que eu faço e pratico, com qualidade e fundamentação bastante, é um procedimento corrente na literatura mundial. É exasperante estar aqui a explicar coisas tão básicas! Quando é que vão rebater, com argumentos válidos, a força e a consistência dos meus textos? E, já agora, façam-no de cara destapada. Sem anonimato. Caramba, estamos em democracia!

  3. O nosso “marx” parece apelar às regras de um convívio civilizado. Já vimos que não tem razão. Incapaz de rebater o CONTEÚDO fundamental do meu texto, limita-se a desviar a atenção, truque erístico por demais conhecido! Já agora, atacar os outros (como o Autor destas linhas, que sempre assumiu publicamente as suas opiniões) de cara TAPADA, sob anonimato, é um comportamento digno de um ser livre e civilizado?! Qual é o vosso MEDO?

  4. Nunca imaginei que tivesse resposta, quem trata por asnos e insignificante uma pessoa que perfilha uma ideologia diferente muito provavelmente não tem tempo nem consideração para argumentar com as “alimárias”.
    Além de um ódio visceral ao comunismo e um desdém paternalista aos que acreditam no mesmo, não consigo encontrar conteúdo argumentativo no seu texto (a constatação dos casos óbvios de Cuba etc não é um argumento).
    Sim, concordo que o texto não ofende ninguém em particular, só que na minha opinião, é pior porque ofende é a todos que não partilham a sua visão ou ideologia. Se Marx usou expressões pejorativas, é-me indiferente, o facto de alguém mijar na rua não me legitima de fazer o mesmo.
    Faça um exercício, se este texto fosse sobre religião, com certeza não utilizarias a mesma linguagem porque há que respeitar a fé que cada um, aplica-se a mesma premissa em democracia e no que chamaste combate público, podes esgrimir opiniões sem chamar asno ao teu adversário político. Para ser uma sátira mordaz…falta um pouco mais de subtileza e menos repetição de “idiotas”.
    Quanto ao anonimato, posso aqui dizer que sou A, B ou C e é indiferente, não interessa, seja de cara tapada ou não, procuro não ofender ninguém porque a minha opinião não me torna superior e a sua não lhe faz um “idiota”. Talvez focar em argumentos, assim não precisas de fazer juízos de valor sobre quem as perfilha.

  5. Senhor “Marx”…do anonimato. E dos “argumentos” subterrâneos e não assumidos.

    Estamos a falar de um regime, o COMUNISMO, que matou MAIS de 100 MILHÕES de pessoas com crueldade indescritível, EM TEMPOS DE PAZ, com base nas “ideias” de Karl Marx, Lenine, Fidel Castro, Mao, etc, e a única preocupação do nosso anónimo e “compagnon de route” daquele regime é, no entanto, o tom da linguagem que eu uso para criticar esses sarrafaçais e a sua obra diabólica e desumana?! Francamente.

    A sua consciência só alcança esse patamar de compreensão e juízo moral, perante um sistema tão iníquo e absurdo, bem PIOR que o nazismo Hitleriano? Será que não percebe a gravidade da SUA estranha forma de pensar?

    Porque não lê, para começar, um livro fabuloso de François Furet sobre o nazismo e o comunismo? Aclarava-lhe um pouco as ideias…

    Todo aquele que defende o COMUNISMO e as suas teses é, no mínimo, um MONSTRO, um ser desprezível, mau e indigno de qualquer respeito ou consideração social. Não se pode pactuar com o mal. A cumplicidade é uma forma de culpa muito grave. Não é por acaso que na Alemanha, após a II Guerra Mundial, a propaganda pró-nazi foi criminalizada. Não o sabeis? A defesa pública de um sistema totalitário é algo asqueroso, excepto para o nosso marx.

    Os comunistas, comprovadamente, NÃO SÃO pessoas normais, porque não têm compaixão nem NENHUM sentimento de culpa e arrependimento, mantendo-se, pelo contrário, na sua bolha utópica, indiferentes perante o destino das suas incontáveis vítimas. É uma coisa macabra e neurótica, que grandes estudiosos mundiais de Psiquiatria, Sociologia, História, Antropologia e Filosofia Política já puseram a nu. É pena que o nosso “marx” de cara tapada desconheça essa rica literatura!

    Sem querer, você, apesar da sua retórica falaciosa e contraditória, vai confessando/revelando, publicamente, a sua real natureza! Diz que não conseguiu encontrar “nenhum” argumento no meu texto. Entretanto, diz também – o peixe morre pela boca – que eu falo dos “casos óbvios de Cuba, etc.”. Ora, pense um bocadinho! São casos ÓBVIOS…porquê? Se o amigo pensar um bocadinho, vai descobrir, certamente, que por detrás do FRACASSO transversal dessas sociedades que menciona estão, afinal, poderosos ARGUMENTOS contra o socialismo totalitário. Percebe agora? É uma questão fundamental de CAUSA e EFEITO, que infelizmente não conseguiu descortinar, na sua apressada e envergonhada (porque feita sob uma falsa identidade) exegese. O “Arché” está no meu breve texto, um simples “post” de Facebook. Descubra-o, se for capaz.

    De resto, em vários artigos, ensaios e reflexões científicas, publicados aqui e além-mar, e bem recebidos pela crítica especializada, trato estas questões de forma aprofundada, com ampla fundamentação. Desengane-se, os meus textos contêm toneladas de argumentos!

    Regressando ao meu post, que lhe causou tanta confusão. Nele falo, por exemplo, de Ludwig von Mises. Está lá. O grande Mises, que escreveu textos brilhantes a favor da liberdade, da democracia e do livre-mercado. Você não deu por isso, como é evidente! Anda distraído. Conhece, já agora, um ARGUMENTO maior contra o comunismo?!

    Bastam estes esclarecimentos para demonstrar que o nosso “marx”, definitivamente, não é um analista imparcial e rigoroso, mas apenas um propagandista de cara tapada, pouco atento aos bons argumentos. A análise textual não é o seu forte. Aliás, isso nota-se na sua prosa incoerente.

    Acha, já agora, que existe, num regime livre e democrático, alguma equivalência moral entre aquele que ASSUME publicamente as suas opiniões (como eu, Casimiro J. L. de Pina, sempre fiz, desde há muitos anos) e um outro indivíduo que se escuda sistematicamente no ANONIMATO, fugindo do escrutínio público e não arcando, por cobardia, com o ónus do exercício transparente da cidadania? Qual é o seu problema, ó marx?

    Anda de cara tapada…porquê? Teme ser confrontado numa disputa intelectual LIMPA e transparente, em que cada um assume, com altivez, a sua identidade, como mandam as regras da civilidade? Não suporta a luz?! Porque tenta estrebuchar sob uma falsa identidade? É tão honesto que gosta de actuar sempre com máscaras? Não tem confiança em si, ó marx? Pense um bocadinho, por favor, no seu modus operandi!

    Passar bem, no seu mundo de trevas, máscaras, confusão, “amanhãs que cantam”, falsehood e apologia envergonhada de monstros totalitários!

Comments are closed.