Piroga que aportou na Pedra de Lume teria 150 pessoas a bordo

0

Para além dos 66 que chegaram ao Sal, muitos outros terão ficado pelo caminho, devido a uma avaria no motor

          

A piroga que no último domingo deu à costa na Ilha do Sal, com um grupo de 66 emigrantes a bordo, pode ter iniciado a viagem com, pelo menos, 150 pessoas a bordo.

Esta é a versão avançada por um interlocutor do grupo à TV pública, na última sexta-feira.
Medoune N’Diaye, um farmacêutico que está a apoiar as autoridades no diálogo com o grupo de viajantes, confirmou que segundo versão dos passageiros, a viagem iniciou-se por volta das 17 horas, do dia 1 de novembro e que o destino era a Europa. Sucede que 5 dias depois do início da viagem, a embarcação teve uma avaria no motor que acabaria por explodir, ficando 15 dias à deriva no alto mar, privados de bens essenciais como comida e água, e a piroga foi arrastada pelo vento até ser avistada próxima da Pedra de Lume.

Segundo N’Diaye, houve passageiros que morreram na sequência do incêndio, outros atiraram-se à água.

A Embaixada do Senegal em Cabo Verde já fez deslocar ao Sal um seu colaborador que vai apoiar as autoridades locais no processo de repatriamento dos cidadãos.

Recorda-se que 6 corpos foram avistados na água mas que o estado do mar ainda não permitiu sua remoção. Para já contam-se 10 cadáveres, mas a crer nos dados avançados pelos viajantes, ainda muitos corpos estarão à deriva.

O PR já reagiu ao caso e presume que esta situação esteja relacionado com a saída de pessoas de seus países, fugindo a situações “difíceis, miseráveis e sub-humanas”.

Jorge Carlos Fonseca insta a Comunidade Internacional a encontrar soluções para estas situações e espera que seja possível dar aos resgatados o “melhor tratamento possível”.

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Por favor digite seu comentário!


COMENTÁRIOS: O País defende a liberdade de expressão e o debate livre de ideias. Entretanto, todos os comentários são mediados pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Advertimos, no entanto, de que os comentários devem cumprir os critérios estabelecidos pela Coordenação Editorial, nomeadamente, não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem, não ofender o bom-nome de pessoas e instituições, não conter acusações sobre a vida privada de terceiros, e não conter linguagem inadequada. Comentários que não respeitarem estes pressupostos não serão considerados.


Por favor, digite seu nome aqui