Portugal tenciona “redirecionar” 5% das vacinas para PALOP e Timor-Leste

0

Informação foi avançada pelo PM Português. António Costa defendeu que “nenhum País do mundo estará seguro até que todos estejam seguros”

          

O Primeiro-Ministro afirma que África será prioritária na disponibilização de doses adicionais de vacinas contra a covid-19 e que Portugal procurará “redirecionar” para Timor-Leste e países Africanos de expressão Portuguesa 5% das vacinas adquiridas.

O líder do executivo Português considerou que “o apoio à vacinação internacional é essencial para a erradicação da pandemia de covid-19” e defendeu a tese de que “nenhum País do mundo estará seguro até que todos estejam seguros”.

“Para além de financiar a Iniciativa Covax, que tem como objetivo fornecer vacinas a 20% da população de 92 países, no âmbito da União Europeia estamos a trabalhar num mecanismo de partilha de vacinas que poderá disponibilizar doses adicionais de vacinas, sendo África naturalmente uma prioridade”, apontou o Primeiro-Ministro de Portugal, País que preside até junho ao Conselho da União Europeia.

De acordo com o líder do executivo português, desde o início da pandemia já foram investidos “mais de 3,5 milhões de Euros em meios de prevenção e combate, enviando material médico, de proteção, diagnóstico e terapêutica para os principais países parceiros da cooperação – os PALOP e Timor-Leste”.

“Continuaremos empenhados neste caminho, e envidaremos esforços no sentido de redirecionar para os nossos tradicionais parceiros de cooperação 5% das vacinas adquiridas por Portugal, dando seguimento às ações de formação e capacitação local. Neste caso, dependemos mesmo uns dos outros e, por isso, temos mesmo de contar uns com os outros”, acrescentou António Costa.

Na segunda-feira, a Organização das Nações Unidas anunciou que Cabo Verde será um dos primeiros países Africanos a receber vacinas contra a covid-19 através da plataforma internacional Covax, que visa para a imunização de 35% da população.

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Por favor digite seu comentário!


COMENTÁRIOS: O País defende a liberdade de expressão e o debate livre de ideias. Entretanto, todos os comentários são mediados pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Advertimos, no entanto, de que os comentários devem cumprir os critérios estabelecidos pela Coordenação Editorial, nomeadamente, não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem, não ofender o bom-nome de pessoas e instituições, não conter acusações sobre a vida privada de terceiros, e não conter linguagem inadequada. Comentários que não respeitarem estes pressupostos não serão considerados.


Por favor, digite seu nome aqui