Réplica da Torre de Bélém que alberga Museu do Mar reaberto no Mindelo

0

Para o Primeiro-Ministro, que esteve na re-inauguração do edifício, esta Réplica que vem do Século XIX é parte da historia de Cabo Verde

O Museu do Mar que está alojado na Réplica da Torre de Belém, no Mindelo, foi reaberto ontem, depois de um período de reabilitação do edifício.

A re-inauguração foi presidida pelo Primeiro-Ministro, Ulisses Correia e Silva, que na ocasião reconheceu a importância da história do edifício que alberga o Museu do Mar, relembrando que o mesmo vem do Século XIX, por isso faz parte da nossa história.

“Nós devemos contar a nossa história por completo, uma existência de uma Nação com mais de cinco Séculos e meio que moldou a nossa identidade Crioula”, disse o PM, realçando que o mesmo tem conteúdos e conta histórias, “muitas delas ligadas ao mar”.

“Talvez estejam aqui as respostas: Porquê Mindelo acolhe a Ocean Race e o Ocean Summit. Porque tem uma história natural com o mar e todo o percurso desta Ilha, contada pela função outrora do Porto Grande, pelas mornas e os artistas que cantaram Mindelo, tem a ver com o mar”, reforçou.

UCS ainda sublinhou que a iniciativa de sediar o Ministério do Mar em São Vicente, “não foi por acaso”, no entanto, explicou que foi “pensada” e “fundamentada” porque a Ilha tem a centralidade, “de fato”.

A intervenção feita no edifício, de acordo com o Governo, está orçada em cerca de 8,5 milhões de Escudos resultante de um protocolo tripartido entre o Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas/IPC, o Ministério do Mar/Fundo Autónomo das Pescas, Direção Nacional das Pescas e Aquacultura, e o projeto de arqueologia subaquática da região da Macaronésia “Margullar”.

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Por favor digite seu comentário!


COMENTÁRIOS: O País defende a liberdade de expressão e o debate livre de ideias. Entretanto, todos os comentários são mediados pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Advertimos, no entanto, de que os comentários devem cumprir os critérios estabelecidos pela Coordenação Editorial, nomeadamente, não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem, não ofender o bom-nome de pessoas e instituições, não conter acusações sobre a vida privada de terceiros, e não conter linguagem inadequada. Comentários que não respeitarem estes pressupostos não serão considerados.


Por favor, digite seu nome aqui