Ulisses Correia e Silva, um Governo humanista e solidário

3

A pandemia de Covid-19 marca, efectivamente, a idade contemporânea e representa um teste decisivo para qualquer Governo. Separando o trigo do joio.

Cabo Verde não foi excepção.

Nas palavras avisadas de uma ilustre publicista, a doença oriunda dos confins da Ásia é, claramente, “…a maior emergência sanitária que o mundo enfrentou desde a gripe espanhola de 1918 e a maior crise global desde a II Guerra Mundial”.

Num ápice, economias, sistemas de troca e sociedades foram devastados por essa estranha zoonose, que ataca de forma traiçoeira, lembrando, nos seus momentos mais dramáticos, A Peste retratada no brilhante romance de Albert Camus.

É nessas horas aziagas que se vê, entretanto, o verdadeiro líder. O “homem com vocação política” de que falava o grande Max Weber.

Ulisses Correia e Silva não se deixou intimidar. Nem por um segundo sequer. E enfrentou o problema com inusitada coragem.

Digo isto porque acompanhei de muito perto a sua gesta. Também vivi essa angústia existencial.

O Primeiro-Ministro nunca perdeu a esperança, virtude de primeira grandeza. E nunca se deixou abater pelos momentos mais difíceis.

Aguentou-se firmemente, e soube capitanear o barco com galhardia, cultivando a ética da responsabilidade.

É esta a realidade.

Norteado por um profundo sentimento de humanismo, mas desse humanismo subtil que se aproxima verdadeiramente do Amor ao Próximo exigido pelas luzes sagradas do Evangelho, vi-o mobilizando, energicamente, a sua equipa; tentando saber a exacta situação das ilhas; traçando estratégias; chamando a atenção para os pormenores; ouvindo os especialistas; impondo regras de saúde pública; formulando diplomas; redefinindo políticas; socorrendo os mais pobres; salvando vidas e empresas.

Este é um mérito que ninguém lhe pode retirar.

Nem tudo foi perfeito, num contexto extraordinário, mas é um esforço que revela, sem margem para dúvidas, a solicitude de um homem e a sua vontade de bem servir.

Antes de ser um bom governante, Ulisses é, pois, um homem bom, e um cidadão de bem.

É por isso que merece a confiança deste nobre povo cabo-verdiano.

O Governo de Ulisses Correia e Silva – que nunca contou com o apoio sincero de uma oposição desvairada e pouco comprometida com o bem comum, incapaz de perceber que o momento não é para espalhafatos… – desenvolveu uma actividade ciclópica.

Do Rendimento Solidário aos programas de lay-off, passando por um investimento considerável no sector da saúde e vários apoios sociais e de inclusão, não deixando ninguém de fora, montou-se um autêntico “New Deal”, dando prevalência, sempre, aos superiores interesses dos cabo-verdianos e desta República democrática.

Ulisses, vislumbrando o essencial, só pensa na “salus publica”. Despreza a politiquice do bota-abaixo. Não tem tempo para algazarra e brejeirices.

Governar é um assunto sério.

Agora, suportando tranquilamente um coro subterrâneo de maldizer, investe fortemente na vacinação, prevendo imunizar 70% da população cabo-verdiana até o final deste ano civil.

Com isso, a economia retomará o seu bom crescimento (em 2019, antes da pandemia, o Governo do MpD fez o país crescer a uma taxa quase 5 vezes superior à minguada prestação do PAICV de Janira H. Almada…) e, claro está, teremos a criação de mais empregos e oportunidades para todos.

Esta crise mostrou-nos, pois, um líder preocupado. Solícito. De grande envergadura moral.

Como já mostrara Jean-François Revel, em páginas memoráveis, os espíritos mais liberais normalmente são os mais solidários.

Ulisses é uma prova viva desta máxima.

Sabe estar ao lado das pessoas comuns, porque é um deles!

No dia 18 de Abril, com a força do voto livre que a vanguarda intolerante dos “melhores filhos da nossa terra” lhe recusou durante longos 15 anos, o povo cabo-verdiano compensará Ulisses Correia e Silva e votará na continuidade desse homem simples e solícito. O único que tem um projecto consistente de futuro.

O segundo mandato será, decerto, ultrapassada a fase mais difícil, o mandato da prosperidade nacional.

Sim, é Cabo Verde no Caminho Seguro!

3 COMENTÁRIOS

  1. Sábias palavras Dr.! De facto o homem merece e certamente merecerá essa confiança do nosso povo!

  2. Avisei que nesta quarta-feira, a SIC em conluio com JMN, Pinto Balsemão e grandes patrões da maçonaria portuguesa iriam pôr em marcha mais um episódio do seu plano de influenciar as eleições de 18 de abril. O objetivo da SIC, JMN, da maçonaria tuga é claro: colocar no poder em Cabo Verde marionetes do mesmo Paicv que torrou milhões de euros nas barragens sem projetos e no “Casa para Todos” que beneficiaram somente empresas lusas de patrões maçons. Pinto Balsemão e seu SIC esqueceram-se de um detalhe: Cabo Verde não é região autónoma de Portugal.

  3. Obrigado, Dr Neltor.

    Estamos juntos nesta luta pela Liberdade e por um Cabo Verde melhor, longe dos “vanguardismos” de outrora.

    Um grande abraço.

Comments are closed.