Última hora. Grávida evacuada do Sal para São Vicente está infetada com Covid-19

6

Informação acaba de ser apurada pelo OPAÍS.cv. Dezenas de pessoas que tiveram contato com a mulher estão em quarentena tanto em São Vicente como no Sal

          

É uma notícia de última hora. A mulher grávida de sete meses evacuada nos últimos dias da Ilha do Sal para o Hospital Batista de Sousa, em São Vicente, está infetada com o novo coronavírus, apurou OPAÍS.cv.

A mulher de 36 anos já tinha acusado positivo em dois testes rápidos aplicados na Ilha do Monte Cara, e agora o teste de PCR veio confirmar a doença.

Com esse resultado positivo, uma série de questões vem à baila, já que oficialmente o Sal não tem nenhum caso de Covid-19. Outras vozes chegadas até ao OPAÍS.cv dão conta que a mulher foi evacuada num voo sanitário, mas a base da companhia que realizou o voo é a Cidade da Praia, foco da pandemia. Não se sabe ao certo como foi que a senhora contraiu a doença, algo que só uma investigação epidemiológica poderá desvendar. No entanto, o certo é que Cabo Verde regista mais um caso positivo de Covid-19.

Espera-se a qualquer altura um posicionamento das autoridades de Saúde.

Notícias relacionadas:

Marido da grávida evacuada para São Vicente com resultado negativo em teste rápido

Grávida de 7 meses evacuada do Sal para São Vicente pode estar infetada com Covid-19

6 COMENTÁRIOS

  1. Demora vários dias para se infectar com coronavírus. É bem possível que ela tenha contraído o vírus no Sal dentro de uma semana ou mais após ser evacuada. Portanto, é obrigatório que as autoridades de saúde realizem testes de anticorpos no Sal e em São Vicente. De fato, é melhor fazer os testes em todas as ilhas. Não está claro por que isso não estava sendo feito antes. Não podemos assumir que o vírus esteja circulando apenas em Santiago.

    Além disso, há um cumprimento insuficiente dos requisitos para manter distância social e usar máscaras. E há muitos estabelecimentos em Praia (bares, restaurantes, barberias, e tal) que são proibidos de abrir, mas que foram reabertos o mesmo … os serviços de segurança não estão fazendo um bom trabalho em fazer cumprir a lei.

    Também, muito mais pessoas estão circulando pelas ruas da cidade da Praia e viajando de e para as áreas rurais. Por isso, os testes rápidos de anticorpos em Santiago devem ser aumentados e estendidos a todos os centros populacionais fora da Praia.

    Portanto, enfrentamos o risco de o vírus infectar talvez 1.000 pessoas, resultando em uma dúzia mortes, antes da propagação do vírus ser controlada. O objetivo deveria ter sido alcançar vários dias consecutivos sem infecção antes de reabrir a economia. Tornamos desnecessariamente a situação mais desafiadora.

Comments are closed.