Uma pessoa armada tentou invadir a sede da CIA

0

A pessoa, que não foi identificada, ficou ferida, depois de atingida a tiro. Ainda não foram divulgados os detalhes da tentativa de invasão

          

Uma pessoa armada tentou na segunda-feira entrar na sede da CIA, em Virginia, EUA, acabando por ficar ferida, depois de atingida a tiro, indicou hoje a polícia federal Norte-americana.

Pouco depois do meio-dia de segunda-feira, a pessoa que não foi identificada, não conseguiu passar da primeira porta de acesso ao enorme complexo dos serviços secretos Norte-americanos, em Langley, Virginia, próximo de Washington D.C.. Ainda não foram divulgados os detalhes da tentativa de invasão.

De acordo com a France Presse, o pessoal de segurança no local disse que tentou negociar durante várias horas com a “pessoa” tentando convencê-la a render-se. Um comunicado do FBI refere que o indivíduo “saiu” de um veículo com uma arma tendo sido interpelado pelas forças da ordem. O mesmo comunicado acrescenta que a pessoa “ficou ferida e conduzida ao hospital”.

Mais tarde, um porta-voz da CIA afirmou que a agência foi informada da situação no exterior do perímetro de segurança do complexo, situado a algumas centenas de metros do edifício principal. “O nosso complexo continua seguro”, indicou o porta-voz não tendo adiantado pormenores.

A segurança na sede da CIA, em Langley, junto a uma estrada pouco frequentada, tem sido reforçada nos últimos anos. Em 1993, Mir Aimal Kansi, um cidadão Paquistanês matou dois funcionários da CIA e feriu outros três, junto da sede dos serviços de informações dos Estados Unidos. O atacante conseguiu fugir para o Paquistão tendo sido detido quatro anos mais tarde e extraditado para os Estados Unidos onde foi condenado à morte. Mir Aimal Kansi foi executado em 2002.

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Por favor digite seu comentário!


COMENTÁRIOS: O País defende a liberdade de expressão e o debate livre de ideias. Entretanto, todos os comentários são mediados pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Advertimos, no entanto, de que os comentários devem cumprir os critérios estabelecidos pela Coordenação Editorial, nomeadamente, não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem, não ofender o bom-nome de pessoas e instituições, não conter acusações sobre a vida privada de terceiros, e não conter linguagem inadequada. Comentários que não respeitarem estes pressupostos não serão considerados.


Por favor, digite seu nome aqui