Universidade de Verão veio para ficar

Em 2017, logo após a minha eleição para liderar a Juventude para a Democracia, JpD, optamos por lançar, em parceria com a Academia do MpD, a Universidade de Verão, que tem como objetivo ser uma escola de formação política de excelência, norteada pelos valores que comungamos, mas que seria, sobretudo, um viveiro do partido.

Na próxima quinta-feira arranca a edição deste ano, que contém muitos atrativos, para além dos oradores conceituados como o Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, a Eurodeputada e Presidente da Juventude do Partido Popular Europeu, Lídia Pereira e dois alunos vindos do estrangeiro para conhecer a nossa experiência formativa.

Ao longo destes anos já passaram pela Universidade de Verão mais de uma centena de jovens, de todos os concelhos do país que, durante três dias intensivos, tiveram a oportunidade de aprender mais sobre a política, sobre o MpD, sobre a economia, relações internacionais, comunicação política e vários outros temas pertinentes para aqueles que queiram aprofundar os seus conhecimentos sobre a cultura política.

As aulas na Universidade de Verão não se resumem a um conjunto de conferências, onde o orador debita a matéria e os alunos se limitam a ser meros ouvintes. As aulas são interativas, todos os alunos têm a oportunidade de participar e dar as suas opiniões sobre os temas em pauta. Para complementar, há trabalhos de grupos, jantar-conferência e almoço com quadros que passaram pela JpD, tendo a pontualidade e a disciplina uma das imagens de marca da UV.

Os jovens que já passaram pela Universidade de Verão são quadros de referência nas estruturas locais e nacionais da JpD. No MpD já estão a assumir responsabilidades nos grupos de trabalho que estão a ser criados e o desempenho e a dedicação deles são elogiados por todos. Mas também há outros que estão a se destacar no movimento associativo estudantil, sem contar aqueles que nas suas atividades do dia-a-dia estão a ter melhores desempenhos graças aos conhecimentos adquiridos na UV que, certamente, servirão para toda a vida.

Nós, ao contrário dos outros que se arrogam pluralistas, não temos nenhum problema em trazer oradores e alunos de outra esfera política. No ano passado, por exemplo, convidamos o deputado Felisberto Vieira – Filú e este ano vamos ter connosco a ex-deputada Graça Sanches como oradora, num dos temas. Estes convidados provam o espírito da abertura da Universidade de Verão e arte de bem receber que a JpD vem cultivando ao longo dos seus 25 anos de existência.

Enquanto os outros falam na formação política, nós fazemos e continuaremos a fazer. Para além da UV, temos a Universidade do Poder Local e outras rúbricas formativas estão na forja para serem lançadas em breve.

Entendemos que investir na formação dos políticos é investir na democracia. Se queremos políticos com qualidade, bem formados, com ética, que comungam dos mais nobres valores civilizacionais, temos que investir na formação deles desde muito cedo. Isto porque, para nós, pertencer a uma juventude partidária ou a um partido político tem que ser por orgulho pelo serviço à causa pública e não uma espécie de cadastro envergonhado. Sem partidos políticos não há democracia.

Acredito que no que tange a formação política, nada será como antes. Em Cabo Verde somos a única JOTA que anualmente envia jovens para sessões de formações ao mais alto nível para fora do país, que vem complementando as formações obtidas internamente, mas que nos tem, também, ajudado a formar cada vez mais quadros em vários pontos do país.  Daí, a nossa convicção, que no futuro, as pessoas que vão militar nos partidos ou numa juventude partidária, vão fazê-lo pela qualidade da formação que poderão obter e não pelas razões habituais que todos conhecemos.

4 COMENTÁRIOS

  1. ‘TODOS OS COMENTARIOS SAO MEDIDOS PELO QUE A SUA PUBLICACAO PODE DEMORAR ALGUM TEMPO”

    A isso tem um nome CENSURA e, constitui, nos tempos que correm, VERGONHA. Um outro facto os comentarios nos artigos de opiniao do Dr. Jose Antonio dos Reis sao “TODOS MEDIDOS” e publicadas imediatamente, indepentemente de, “PODE DEMORAR ALGUM TEMPO” mas quando se faz comentarios aos filhos de casa, ai, a publicacao isso, sim, jaz na eternidade nem vale a pena “ADVERTIR”.

    Um iminente Professor de DIREITO disse de que nao acredita na democracia e sabem-no bem e muito bem porqueh.

    A politica eh nobreza.

    A patifaria tem limites.

    • Os comentários, não são MEDIDOS, mas sim MEDIADOS. São dois conceitos diferentes. E deve-se devido ao anonimato dos mesmos e só por esta razão. Cumprimentos

  2. Quem quizer rebater os argumentos contidos num artigo, deve faze-lo pela mesma via e não se esconder, de forma covarde, por de trás de nomes falsos para caluniar, na falta de argumentos.

  3. Fiz um breve comentario neste jornal online na peca Universidade de verao veio para ficar e a sua publicacao ate ao presente momento esta ser m e d i a d o porque, segundo a administracao do jornal MEDIDOS e MEDIADOS sao conceitos diferentes.

    Contudo, nao eh quinta vez que os meus comentarios ficam por ai a serem “mediados” por essa razao que cheguei a conclusao de que quando comento alguns artigos de opiniao do Dr. Jose Antonio dos Reis as tais mediacoes, parecem, que nunca existem. Dai a indignacao.

    Os meus comentarios sempre sao assinados Emanuel Barros ou Cuena Barros.
    Infelizmente ha, sim, neste vosso jornal, conceitos diferentes que sao diferentemente da IGUALDADE.

    Ate breve

Comments are closed.