Ameaças anónimas do Paicv

4

Quando as anónimas ameaças aparecem, é sinal que a pré-campanha começou.

Não é de hoje. Para quem não saiba, desde 1990, os militantes do Paicv nunca pararam de efectuar ameaças anónimas e lançar calúnias de corrupção contra o MPD – aos seus dirigentes e militantes.

O epicentro das ameaças anónimas ocorreu logo após a vitória do MPD no dia 13 de Janeiro de 1991.

A raiva da derrota descontrolou-se por completo e as atitudes de uma boa parte das gentes do Paicv passaram todos os limites. Há quem diga que não estavam à espera de uma derrota.

Posso afirmar que nesse período, creio que não houve dirigente do MPD que não recebeu dezenas de chamadas anónimas, com ameaçadas de morte ou ofensas das mais variadas formas. Foi um período um pouco complicado.

Nesta matéria de ameaças anónimas, eu não digo que é todo o Paicv a recorrer a esta prática. Todavia, há um segmento deste partido, um núcleo bem duro, sobretudo os antigos agentes da Polícia Política e um grupo de Talibãs, que nunca abandonaram essa triste técnica, que continuam a manchar, em silêncio, a nossa jovem democracia.

Quando se aproximam as épocas eleitorais, os sinos de ameaças e difamações começam a badalar, sinalizando que os demônios saíram à solta e que intensificaram as suas práticas.

São, seguramente, resquícios herdados dos sistemas da antiga União Soviética e de Cuba. São ensinamentos de antigos partidos comunistas e socialistas. Eles usavam muito essas técnicas, essas práticas próprias de sistemas monopartidários e ditatoriais, para amedrontar e perseguir os seus adversários políticos.

Porém, nas democracias ocidentais, hoje, esses partidos abandonaram o uso dessas técnicas.

Todavia, os militantes do Paicv, sobretudo os que restam da terrível Polícia Política, principalmente nos períodos pré-eleitorais, continuam a utilizar essas ameaças e difamações contra os candidatos seus adversários, os dirigentes dos partidos democráticos e certas figuras, que eles consideram que, com suas opiniões e análises, podem provocar-lhes prejuízos políticos.

Todos deram conta de centenas de perfis falsos usados nas redes sociais, com o exclusivo objectivo de ofender e desacreditar os adversários considerados mais perigosos.

Porém, do jeito que as novas gerações se comportam hoje, com os seus barómetros de conhecimentos e com o debate e os seus efeitos das redes sociais, o Paicv, os seus dirigentes e militantes, usando contra os seus adversários essas velhas técnicas, mais não fazem do que perder o seu tempo.

Já ninguém embarca nessa forma estapafúrdia e descrente de se fazer política ou de se convencer as pessoas.

Longe vai o tempo em que essas técnicas doidivanas rendiam algum voto.

4 COMENTÁRIOS

  1. Maika faz um ótimo trabalho de resgate da História, sobretudo, para os jovens conhecer o quanto custou a nossa democracia. Neste momento em que ex-membro do Governo do MpD, sorrateiramente procura passar a ideia de que as vitimas de hoje são seus amigos (ex-torturadores no Paicv), Maika coloca os pontos nos iiii. O facto de na década de setenta e oitenta não haver Facebook, não significa que o Paicv não tenha adotado técnicas das mais macabras para perseguir os opositores do MpD e outros. As técnicas de hoje não afastam muito das usadas pelo Paicv e seus asseclas. Hoje, uma milícia digital do Paicv, uma unidade dentro do seu Gabinete de Ódio, tem a missão de mentir, difamar, odiar, insultar e destruir o caracter e bom nome dos seus adversários reiais e imaginários. Só tem detalhe e isso é importante: conta com o apoio de suas ex-vitimas (Síndrome de Estocolmo). Exemplo: hoje quem votou a favor o EE da Cidade da Praia é taxado de ‘traidor’, ‘amigo de badiulândia’, por um grupo de garotos que foram erguidos à categoria de exército anti-Praia e anti-Santiago. Já quem votou contra o EE Cidade é ‘honesto’, ‘integro’ ‘trabalhador’ e ‘vítima de terrorismo do MpD’.

  2. Se dúvidas houvesse sobre o que foi dito anteriormente, veja-se a reação da milícia digital do paicv no Facebook sobre este artigo de opinião do Maika.

  3. O Dr Daniel Lobo, como conhecido Maika é conhecedor da história que nos tem levado até agora, por isso faz sempre análises corretas e vericulas sobre a nossa história.

  4. Maika tem razao. Maika tambem deve reconhecer que o MpD se, politicamente esteve bem em denunciar as sevicias ea as tacticas dos torcinarios bem pagos com o errario publico do Estado de Cabo Verde o Ministerio Publico de maos dadas com Justica estiveram pior. o MpD enquanto partido politico sempre se conformou com o MP e a Justica que nunca foi feito a estes torcinarios pelas seus crimes e atrociadades praticados em nome do partido unico: ao inves promoveram ate alta magistratura da nacao e mais, alguem ainda tem a coragem e pouca vergonha de dizer que PP e pai da democracia caboverdiana

Comments are closed.