Bento XVI não terá aprovado publicação de livro que defende celibato

0

Bento XVI não terá aprovado a publicação do livro escrito em conjunto com o Cardeal Robert Sarah, no qual o celibato dos Sacerdotes é defendido, disseram a alguns medias fontes próximas ao Papa Emérito

Uma verdadeira guerra interna estourou no Vaticano na noite passada, quando alguns meios de Comunicação, incluindo o Corriere della Sera, publicaram uma versão de alguém que não se quis identificar, mas se disse próximo do Papa Emérito, afirmando que Bento XVI não terá escrito o livro “a quatro mãos” e que se trata de uma operação editorial mediática a que este é totalmente alheio.

A mesma fonte não identificada explicou que o Papa Emérito “apenas disponibilizou a Sarah um texto sobre o sacerdócio que estava a escrever” e que “não sabia nada sobre a capa de um livro, nem o aprovara”.

Estas declarações provocaram uma reação dura do Cardeal Prefeito da Congregação para o Culto Divino, que afirmou, no Twitter, que acusá-lo de mentir eram “difamações de extrema gravidade”.

“Hoje à noite, eu comprovei a minha estreita colaboração com Bento XVI para escrever este texto a favor do celibato. Falarei amanhã, se necessário”, acrescentou Sarah, que publicou as fotos de três cartas que Bento XVI lhe enviou.

As cartas confirmam que Bento XVI enviou um texto sobre o sacerdócio e que o autorizou a publicar “da maneira que pretendia”, mas não especificam em nenhum momento se é um livro, com uma introdução e uma conclusão assinada por ambos.

A polémica no Vaticano surgiu no domingo, quando foi anunciado um novo livro assinado por Bento XVI e Sarah – um dos principais líderes da ala conservadora que critica as posições do Papa Francisco -, no qual o celibato é defendido, perante a decisão que terá que tomar o Papa Argentino sobre a proposta de ordenar homens casados, feita no Sínodo na Amazónia.

Com Agência Lusa

Notícia relacionada:

Papa Emérito defende que celibato de Sacerdotes “tem um grande significado”

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Por favor digite seu comentário!


COMENTÁRIOS: O País defende a liberdade de expressão e o debate livre de ideias. Entretanto, todos os comentários são mediados pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Advertimos, no entanto, de que os comentários devem cumprir os critérios estabelecidos pela Coordenação Editorial, nomeadamente, não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem, não ofender o bom-nome de pessoas e instituições, não conter acusações sobre a vida privada de terceiros, e não conter linguagem inadequada. Comentários que não respeitarem estes pressupostos não serão considerados.


Por favor, digite seu nome aqui