Já ouviram falar de um documento chamado “Estatuto do Jornalista”?

4

Espero que a AJOC e os jornalistas nacionais RESPEITEM, pelo menos, o respectivo Estatuto profissional!

Esse Estatuto foi aprovado, também, no tempo de sua excelência iluminada José Maria Neves, em 2010.

Ora, o Estatuto dos Jornalistas em vigor diz o seguinte, no seu importante artigo 12.º, número 2:

“O direito de acesso às fontes de informação NÃO abrange os processos em segredo de justiça…”.

Será que a malta nunca leu isso?!

A norma, meus senhores, está lá há mais de uma década!

Ps: o referido Estatuto é a “magna carta” do jornalismo.

4 COMENTÁRIOS

  1. Pois caro Casimiro. Eu próprio já cá estava aqui sentado espera de mais um próximo ‘pio’ sobre esta matéria, por parte seja do JMN seja dos seus rapazes, para publicar e atirar na cara deles esse parágrafo. É por demais evidente que: JMN deseja subverter a ordem Constitucional vigente, constrangendo de forma leviana e publicamente os magistrados do MP, ao apelar indiretamente à desobediência civil; evidente os jornalistas do paicv querem obter “licença para cometer crimes”, no que contam com o alto patrocínio de JMN. É por demais evidente que todos os jornalistas leram o CP, CRCV e os Estatutos do Jornalista. Neste momento todos, inclusive o próprio JMN, investem seus esforços em prejudicar e melar a reputação interna e externa das instituições republicanas, sobretudo a Justiça e o Governo. O objectivo é claro: impedir ou enfraquecer os esforços de Cabo Verde para atrair os investimentos externos e criar um ambiente de paz social para juntos vencer os desafios da retoma económica. Noutro dia, li uma dissertação de asneiras e insanidades do JVL no jornal a “Nação” e vi quanta mente suja e insana esse pessoal do paicv dispõe. JVL, o biógrafo oficial dos ditadores e tiranos faz, com enorme requinte e frieza faz um autêntico elogio à cegueira e à ignorância para o gáudio da militância burra. Neste momento o que é preciso é o MP e o Sr PGR mantiverem-se firmes não se vergarem perante as ameaças e pressões de quem for. O MP não ser obrigado a conceder aos jornalistas ou a qualquer outro cidadão um “passe conduto” para cometer crimes e ficar impunes, como desejam o paicv e o PR.

  2. O alinhamento de parte significativa dos jornalistas cabo-verdianos constitui sem dúvida alguma um perigo para a democracia pluralista. A estratégia do PAICV em investir fortemente na formação de jornalistas militantes, que enquanto esse partido está no poder, tudo está as mil maravilhas e quando está na oposição tudo vai mal, começa a ser desmascarado e pior, com leis aprovadas pelo PAICV durante os 15 anos de obscurantismo e de abusos.
    E agora senhores jornalistas? Porquê só agora? Não tiveram tempo de ler mesmo que fosse de raspão o vosso Estatuto? Ou houve algo em troca? Reajam pois a classe está mal e cada vez pior.
    Se a direção da AJOC não reagir e pedir desculpas só lhe resta demitir se.
    Silva

  3. Mas, este artigo 12 no 2 tem toda a justificação possível. A divulgação de peças ou a totalidade de um processo com a investigação em curso ou um processo com a acusação feita e a aguardar a data de julgamento perturba a investigação e a procura da verdade e no outro caso, da origem a julgamento na praça pública. No caso da Máfia dos Terrenos, sem haver julgamento todos os arguidos já foram condenados na praça pública e sem direito de defesa e no caso de Zezinho Denti d’ Oro, idem com Paulo Rocha.,

  4. A maioria dos jornalistas do tempo do governo do paicv não é séria e foram alimentados com avenças, salários, servicinhos de publicidade, voz off, nas empresas do estado, institutos, ministérios, etc. Quase todos tinham um rendimento extra, assumido pela esfera pública.
    O José Maria Neves molhava a mão dessa classe e depois de 15 anos a mama desapareceu, começaram todos a gritar, a se identificarem politicamente, a se candidatarem para as Câmaras Municipais, parlamento, etc.
    Assim que ele voltou novamente ao poder já contratou 4 jornalistas e ninguém diz nada?

Comments are closed.