Ódio e partidarite paicviana aguda!

0

Há quem é contra Cabo Verde sempre que o MpD está no poder. Olha para tudo com óculos pretos e tudo está mal e vai de mal a pior. Nenhuma medida é boa, tudo é incompetência, desleixo e corrupção. Quando o Paicv ganha as eleições, já no dia seguinte o país torna-se uma maravilha.

Compreendo perfeitamente, pois é partidarite paicviana aguda, é doença e não tem cura. Faz pena o sofrimento deles, desta vez por 10 anos e provavelmente vai ser 15 anos, de intensa angústia, é dor pesada mesmo para carregar durante tanto tempo.

Mas temos outra casta de gente, que é pior, gente que não se move pelas ideologias, mas estritamente pelo seu interesse pessoalíssimo.

Ontem eram reconhecidos críticos do Paicv e hoje são lunáticos defensores deste, sem que o Paicv tenha mudado uma vírgula, ou até tenha ficado pior. É gente que o seu interesse desmedido e absurdo não foi satisfeito.

Não um interesse legítimo, mas um interesse mesquinho, e passou a ter uma nova profissão que exerce com paixão 25 horas por dia: a diplomacia do ódio, mas de um ódio odiento, azedo, peganhento, que nasce do fundo das tripas e destila sem parar, com argumentos lunáticos, caricatos e patéticos, mas sempre exarados em jeito de grande intelectual.

Cabo Verde é um dos campeões da democracia, liberdade, boa governança, transparência e desenvolvimento (com taxa de crescimento robusta e acentuada descida da dívida pública, com o turismo a disparar acima de 1 milhão de turistas em 2023), todos esses indicadores reconhecidos por todas as instituições internacionais credíveis, mas essa casta de gente esforça-se grotescamente para “provar” com o seu ódio que é tudo falso, miragem, sonho e fantasia. Imagino o sofrimento dessa cambada de gente que gatafunha penosamente, horariamente, abarrotada de ódio e afundada em vingança para dar cabo do MpD.

Coitados, acho que ainda têm muito para sofrer! O ódio que cultivam é também motivação de luta de muitos que suportam o atual Governo e o MPD. Nós somos muito mais do que eles! É só juntarmo-nos.