Morreu guarda-redes Neno

1

Cabo-verdiano que defendeu os emblemas do Barreirense, do Vitória de Guimarães, do Benfica e da Seleção Portuguesa de futebol, faleceu na última noite vítima de morte súbita

          

Neno faleceu em sua casa, em Setúbal, aos 59 anos de idade. A notícia da sua morte está a correr o mundo. Nasceu a 27 de janeiro de 1962, na Cidade da Praia, Ilha de Santiago.

De seu nome próprio Adelino Augusto Graça Barbosa Barros, Neno, como se notabilizou, para além de guarda-redes também era cantor. Iniciou carreira desportiva na temporada de 1981/82, no Barreirense, mas após primeira época foi contratado pelo Sport Lisboa e Benfica que, no entanto, emprestava-o ao anterior clube e de seguida ao Vitória de Guimarães.

Em 1985, Neno regressa à Luz onde realiza apenas 6 jogos em duas temporadas, acabando, de novo emprestado, ao Setúbal e Guimarães, regressando, novamente, em 1990, ao Benfica onde realiza 5 temporadas e realizou dezenas e dezenas de jogos na baliza encarnada.

Os últimos anos da carreira de Neno foram passados no Vitória de Guimarães, conquistando uma Supertaça e o coração dos adeptos do Vitória.

Neno era um fã de Júlio Iglesias e Roberto Carlos, interpretava com mestria as suas músicas. Editou um CD no ano de 1986.

Reações à morte

Várias têm sido as reações à morte do Cabo-verdiano. Em comunicado, o Vitória de Guimarães refere ser com “profunda tristeza e coletivo sentimento de enorme pesar” que soube do falecimento de Neno, uma “histórica figura” do clube e da Cidade.

A Federação Portuguesa de Futebol também lamentou a morte “tão precoce” do guarda-redes da Seleção, uma personalidade “incontornável na história” do futebol Português.

1 COMENTÁRIO

COMENTE ESTA NOTÍCIA

Por favor digite seu comentário!


COMENTÁRIOS: O País defende a liberdade de expressão e o debate livre de ideias. Entretanto, todos os comentários são mediados pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Advertimos, no entanto, de que os comentários devem cumprir os critérios estabelecidos pela Coordenação Editorial, nomeadamente, não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem, não ofender o bom-nome de pessoas e instituições, não conter acusações sobre a vida privada de terceiros, e não conter linguagem inadequada. Comentários que não respeitarem estes pressupostos não serão considerados.


Por favor, digite seu nome aqui